Centro-Oeste reinaugura primeira loja da TIM acessível para pessoas com nanismo 

Foto: Divulgação TIM

Estabelecimento está localizado em Valparaíso (GO) e integra projeto de mudanças em todo o país

Depois de reinaugurar duas lojas acessíveis para pessoas com nanismo no Nordeste do país e uma no Sudeste, a TIM entregou, no último dia 18 de abril, a primeira delas no Centro-Oeste do Brasil. Localizada em Valparaíso (GO), no Shopping Sul, é a quarta loja do país readaptada inteiramente para suprir as necessidades das Pessoas com Deficiência (PCD). Além de atendimento em libras e braile, também conta com equipamentos de acessibilidade, piso tátil e mobiliário para pessoas com nanismo. A média de atendimentos no local é de 15 mil pessoas por dia. 

O estabelecimento conta com acessos para circulação de cadeirantes, piso tátil, placas de sinalização em braille e um mapa tátil para visualização da loja. O mobiliário também foi pensado para promover acessibilidade. O espaço é equipado com mesas e assentos adequados para cadeirantes e adaptados a pessoas com nanismo e obesas. A primeira transformação, que ocorreu no Piauí, contou com apoio de uma integrante do movimento Nanismo Brasil que auxiliou na construção do projeto relatando suas próprias necessidades. Depois disso, outras duas foram lançadas em Salvador (BA) e Uberlândia (MG). 

“Promover acessibilidade não se trata de favor ou concessão. Além de um direito das pessoas com deficiência, é um dever dos prestadores de serviço. Essa loja aponta para um futuro mais inclusivo e atento às necessidades da comunidade. É uma missão da TIM seguir nesse compromisso e expandir ainda mais os projetos acessíveis”, afirma Graciela Berlezi, diretora comercial da TIM Brasil no Centro-Oeste. 

A loja de Valparaíso (GO) conta, no total, com 14 colaboradores, um deles com deficiência auditiva. Além disso, a equipe está treinada para fornecer atendimento em Língua Brasileira de Sinais (Libras) quando for necessário.

Leia também: 

Catherine Moraes

Jornalista por formação e apaixonada pelo poder da escrita. Do tipo que acredita que a informação pode mudar o mundo, pra melhor!
Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser