Livros sobre nanismo: uma lista pra salvar

Se tem uma coisa que a gente acredita é que a informação muda o mundo. É por meio do conhecimento e pela empatia que o preconceito vai perdendo espaço. Nessa postagem fizemos uma lista de livros que falam sobre nanismo e que podem ajudar não apenas quem passa por situações similares diariamente, mas um mundo todinho a se transformar. Começamos pelos infantis, mas temos também livros para os adultos! E se você tiver mais dicas, deixa aqui nos comentários para ampliarmos nossa lista!

1 – Anão e Gigante, de Nilson José Machado

De vez em quando ele se sente forte como um gigante e outras vezes pequeno como um anão. O livro de Nilson José Machado foi lançado em dezembro de 2019 e fala sobre como diferentes situações podem provocar sentimentos opostos. É lúdico e simples!

2 – Nem todas as girafas são iguais, de Márcia Honora

Uma girafa que se sente excluída porque não consegue crescer como as amigas. Além disso, sonha em ser uma jogadora de basquete. O que ela faz? Não desiste dos próprios sonhos!

3 – O maior anão do mundo, de Ziraldo

Com ilustrações de Maurício de Sousa, o livro conta a história de Julius, o maior ‘anão’ do mundo. Ele tinha 2,85 metros e embora tímido e modesto, era um sonhador! O livro fala sobre as diferenças e é mais um da nossa lista infantil.

 

4 – Longe da Árvore – pais, filhos e a busca de identidade, de Andrew Solomon

Andrew tem dislexia e não foi bem amparado pela família quando assumiu a homossexualidade. No livro, quase uma enciclopédia, ele fala sobre várias diferenças, incluindo o nanismo, e as relações familiares de quem precisa conviver com o preconceito na pele. No total, são 10 personagens que possuem diferenças, como: surdez, nanismo, síndrome de Down, autismo, esquizofrenia, deficiências múltiplas, crianças prodígios, filhos concebidos por estupro, transgêneros e menores infratores. Impactante.  Imperdível.

5 – Gigantes no coração, de Eilat Negev e Yehuda Koren (Autor)

O livro conta a história da Trupe Lilliput, uma família de anões que sobreviveu ao holocausto. Além disso, transporta o leitor à Transilvânia do século XIX para falar da origem da família que encantava o público com apresentações de teatro, música e canções. Diferente da história de muitas pessoas com nanismo que se tornaram célebres no mundo do espetáculo, a dos Ovitz se fez mais famosa porque eles sobreviveram ao campo da morte de Auschwitz-Birkenau.

6 – Cartilha Escola para Todos! Nanismo, de Vélvit Severo

O livro foi escrito pela gaúcha Vélvit Severo. Ela é designer, tem um filho com nanismo e escreveu a cartilha para distribuir nas escolas. Uma iniciativa linda, não é mesmo?

7 – E fomos ser gauche na vida, de Lelei Teixeira

O livro chegou às livrarias pela Pubblicato Editora no final do ano passado e conta a história da autora e da irmã Marlene Teixeira, que morreu em abril de 2015 por complicações de um câncer. Ambas com nanismo compartilharam não só uma amizade linda, mas também uma vida cheia de coragem!

 

8 – O grande livro dos anões, de Gigante Leo

Gigante Leo conta neste livro várias histórias de sua própria vida e a forma como escolheu enfrentar bullying, chacotas e críticas com paciência, bom humor e respeito. 

Catherine Moraes

Jornalista por formação e apaixonada pelo poder da escrita. Do tipo que acredita que a informação pode mudar o mundo, pra melhor!
Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser