Livro infantil inspirado em menina com nanismo participa da Bienal do Rio de Janeiro

Luiz Phillipe Araújo

Uma história colorida, cheia de aventuras e inclusão. Assim é o livro “Mundo Colorido da Girafa Zazá”, uma obra de literatura infantil que tem o dia a dia de uma criança com nanismo como inspiração.  Lançado no dia 25 de outubro deste ano, o livro destinado a crianças de 2 a 8 anos traz para o imaginário dos pequenos, de forma lúdica, discussões sobre a diversidade de condições.

A autora é a professora de Direito Priscila Lacerda, que é a idealizadora do movimento “Não Somos Invisíveis”, lançado em 2018 e que, assim como o Somos Todos Gigantes, busca dar maior visibilidade para as causas relacionadas às pessoas com nanismo. A missão do livro é ser uma ferramenta para pais e professores expandirem o diálogo sobre inclusão desde a primeira infância. Com as histórias, as crianças podem aprender muito sobre respeito e tolerância com Mia e os demais personagens do livro.

A protagonista, Mia, foi inspirada em Mia Renkert, uma criança de 4 anos que tem Hipocondroplasia, um tipo de nanismo. No livro, sua história não tem como base a sua condição, e sim os pormenores de uma vida feliz, saudável e repleta de aventuras. Como em várias famílias, Mia é a primeira da família com nanismo. “A gente sempre busca representatividade e sempre falamos que temos que tentar fazer com que tenham pares para se sentirem representados e de repente minha filha está representando. Achei isso muito forte, muito poderoso. Não podia ter ficado mais feliz. É uma conquista maravilhosa e pra ser muito sincera, desde a gravidez, não imaginei que teria minha filha como personagem de um livro. Espero que um dia ela entenda todo o poder disso”

O papel desempenhado por Mia pode ser inclusivo a outros tipos de condições atípicas, como explica sua mãe, a advogada Ana Renkert: “Uma das belezas é que você não precisa pensar nele apenas pelas lentes do nanismo. Você pode o transformar em uma história com alguém com autismo, com surdez, cega. O que está sendo trabalhado é a diversidade”. A mãe é natural do Rio de Janeiro e o pai de Porto Alegre. Mia nasceu em Londres, onde mora hoje a família e ainda não recebeu o livro em mãos, mas está a caminho! 

 

Trilíngue

O livro, que é cheio de ilustrações, foi escrito em três línguas: português, inglês e espanhol. Com pouco mais de um mês de vida, O Mundo colorido da Girafa Zazá participou da XX Bienal Internacional do Livro no Rio de Janeiro, evento que se encerrou neste domingo (12).

Lacerda aproveita a exposição para reforçar a importância de abrir o debate sobre questões de inclusão, visibilidade e dignidade do ser humano no cenário atual e integra: “Se eu conseguir deixar essa reflexão, esse incômodo, esse despertar, uma pequena marca do bem e para o bem, já me sinto realizada”.

É possível adquirir um exemplar do livro por meio do site do projeto www.naosomosinvisiveis.com.br

Catherine Moraes

Jornalista por formação e apaixonada pelo poder da escrita. Do tipo que acredita que a informação pode mudar o mundo, pra melhor!
Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais

Natação e nanismo: quais os benefícios e pontos de atenção?

Prática do esporte sem acompanhamento pode provocar lesões, mas quando monitorada revela ser uma ferramenta potente na transformação da qualidade de vida das pessoas com a deficiência O sinal sonoro liberta para um mergulho profundo. “Na água eu dou tudo de mim, coloco na minha

Garoto com nanismo é campeão em jogos escolares

“Eu nunca tinha sido campeão e fiz gol até na final”, celebra Bernardo de 10 anos que descobriu mais uma paixão Um olhar técnico e humano plantou mais uma semente no futuro de uma criança e permitiu a união de um time que levou pra

Natação e nanismo: quais os benefícios e pontos de atenção?

Prática do esporte sem acompanhamento pode provocar lesões, mas quando monitorada revela ser uma ferramenta potente na transformação da qualidade de vida das pessoas com a deficiência O sinal sonoro liberta para um mergulho profundo. “Na água eu dou tudo de mim, coloco na minha

Garoto com nanismo é campeão em jogos escolares

“Eu nunca tinha sido campeão e fiz gol até na final”, celebra Bernardo de 10 anos que descobriu mais uma paixão Um olhar técnico e humano plantou mais uma semente no futuro de uma criança e permitiu a união de um time que levou pra