INN faz pré-lançamento de curta documentário com tecnologia 360º

‘Na altura do Coração: o nanismo na vida real’ conta com participação de Gigante Leo, Monalisa Ned e Fernando Vigui

O Instituto Nacional de Nanismo (INN) realizou, no último dia 25 de outubro, o pré-lançamento do curta documentário “Na Altura do Coração: o Nanismo na Vida Real”. O evento foi realizado na Biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo e contou com a participação da secretária-adjunta da Pessoa com Deficiência de São Paulo, Dika Vidal; da presidente do INN, Juliana Yamin e dos líderes dos movimentos Nanismo Brasil, Fernando Vigui, e Somos Todos Gigantes, Gabriel Yamin. 

O projeto é de cinema imersivo e é emocionante. Com uma visão íntima e sincera, traz a vida de três indivíduos com tipos diferentes de displasias ósseas: Fernando Vigui (acondroplasia), Gigante Léo (displasia diastrófica) e Monalisa Ned (displasia espondiloepifisária). Gravado usando a tecnologia de Realidade Virtual em 360º, o filme possibilita que o público vivencie, de uma forma bastante realista, as barreiras arquitetônicas e atitudinais enfrentadas por eles. 

“O filme foi gravado com a tecnologia de cinema imersivo 360º e a câmera foi colocada na altura dos personagens para que o público tenha uma referência da visão espacial que essas pessoas têm no dia a dia. O objetivo é mostrar a realidade da falta de acessibilidade, desconstruir o capacitismo e promover a empatia mudando, assim, o olhar sobre o nanismo no Brasil”, explica Juliana Yamin, presidente do INN. 

O patrocínio é da BioMarin e o pré-lançamento contou com o apoio da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência de São Paulo, da Secretaria da Cultura e da Biblioteca Mário de Andrade. “Estou saindo dessa experiência impactada. É um curta que vai quebrar barreiras atitudinais e vai mudar o olhar sobre as pessoas com nanismo. Parabéns pelo trabalho e vamos ajudar nessa divulgação porque todo mundo precisa assistir”, completou a secretária-adjunta da Pessoa com Deficiência de São Paulo, Dika Vidal. 

“Cara eu me emocionei, ver o resultado de um trabalho feito com tanto amor, dedicação e coragem… Coragem. Eu também venci a mim mesma pegando ônibus sozinha no Rio de Janeiro. Por eu ser minúscula, vi no filme bem a minha realidade mesmo, mas conversando com outras pessoas compridas, parece que eles sentiram bem a minha visão. Uma dica: melhor assistir em pé!”, completa Monalisa Ned”

Catherine Moraes

Jornalista por formação e apaixonada pelo poder da escrita. Do tipo que acredita que a informação pode mudar o mundo, pra melhor!
Comentários

Uma resposta

  1. Sim eu também acredito, porque através de vcs eu me descobri,e estou muito feliz por tudo que estou aprendendo sobre a minha pessoa, que tenho nanismo e não tinha como buscar ajuda tanto em conhecimento, saber os direitos e buscar eles,e saber lhe dar em situações que muitas vezes ignorada, e me deixam constrangida.obrigada Catherine Moraes ,. Fernando Nanismo Brasil e todos que fazem parte.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser