Estrelado por Giovanni Venturinni, filme brasileiro é premiado no Festival de Locarno, na Suíça

Estrelado por Giovanni Venturini e dirigido por Carlos Segundo, o filme brasileiro “Big Bang” foi eleito o Melhor Filme na categoria “Corti d’autore” (Curta de Autor) durante o 75º Festival Internacional de Cinema de Locarno, na Suíça. A categoria é voltada para curtas que fazem estreia mundial.

O filme conta a história de Chico (Giovanni Venturini), um homem com nanismo e que trabalha consertando fornos. Vítima do abandono familiar e da exclusão social, é solitário e cheio de conflitos. Chico resiste! Descobre sua forma de existir e resistir.

Emocionado durante a premiação, Venturini fez um discurso emocionante e falou do quão significativo é ter esse reconhecimento pelo trabalho. “Talvez essa seja a primeira vez que uma pessoa com deficiência está recebendo esse prêmio. Sou ator há quinze anos, tenho fugido de personagens estereotipadas por anos. Eu estava num momento bastante desmotivado com a indústria brasileira de cinema quando veio o convite para protagonizar ‘Big Bang’ e me encheu de esperança novamente”.

O ator também agradeceu ao diretor Carlos Segundo pelo trabalho que chamou de presente e à empresa produtora francesa Les Valseurs. “Esse prêmio não é apenas nosso, mas para todos os corpos invisíveis na sociedade. Que ‘Big Bang’ cause uma grande explosão e revolução de ideias na criação de protagonistas de filmes, dando voz a diversidade que existe na nossa sociedade. Eu estou muito feliz, muito obrigado Locarno!”

Catherine Moraes

Jornalista por formação e apaixonada pelo poder da escrita. Do tipo que acredita que a informação pode mudar o mundo, pra melhor!
Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais

Natação e nanismo: quais os benefícios e pontos de atenção?

Prática do esporte sem acompanhamento pode provocar lesões, mas quando monitorada revela ser uma ferramenta potente na transformação da qualidade de vida das pessoas com a deficiência O sinal sonoro liberta para um mergulho profundo. “Na água eu dou tudo de mim, coloco na minha

Garoto com nanismo é campeão em jogos escolares

“Eu nunca tinha sido campeão e fiz gol até na final”, celebra Bernardo de 10 anos que descobriu mais uma paixão Um olhar técnico e humano plantou mais uma semente no futuro de uma criança e permitiu a união de um time que levou pra

Natação e nanismo: quais os benefícios e pontos de atenção?

Prática do esporte sem acompanhamento pode provocar lesões, mas quando monitorada revela ser uma ferramenta potente na transformação da qualidade de vida das pessoas com a deficiência O sinal sonoro liberta para um mergulho profundo. “Na água eu dou tudo de mim, coloco na minha

Garoto com nanismo é campeão em jogos escolares

“Eu nunca tinha sido campeão e fiz gol até na final”, celebra Bernardo de 10 anos que descobriu mais uma paixão Um olhar técnico e humano plantou mais uma semente no futuro de uma criança e permitiu a união de um time que levou pra