Criança com nanismo é selecionada para equipe de atletas paralímpicos de Joinville (SC)

Luísa do Prado, de 6 anos tem acondroplasia e se destacou na natação

Luísa do Prado Torres Corrêa, de 6 anos, que tem acondroplasia é a mais nova integrante da equipe de atletas da Associação Paralímpica de Joinville (APJ). Ela foi selecionada após teste de habilidades e comprometimento familiar. Luísa pratica a natação desde bebê e poderá, aos 11 anos, representar o município, o estado e o país em grandes competições. 

Luísa frequenta a escola, brinca e treina duas vezes por semana. Inclusive, uma das bonecas, a Ana Luísa, está sempre na água com ela. “Eu adoro a natação. A água é quentinha e eu tenho muitos amigos. Eu acho um esporte muito legal e divertido”, afirma Luísa que tem a atividade como uma brincadeira. E é. Até os 11 anos, os treinamentos são lúdicos e focados no desenvolvimento da criança. Depois dessa idade, os atletas já focam nas habilidades e são preparados para disputas regionais, nacionais e internacionais. 

Para a mãe da Luísa, a enfermeira Bianca Aparecida Oliveira do Prado, foi uma felicidade ver a conquista da filha. “Ficamos muito emocionados com a notícia. Sempre fui muito resistente à prática de esporte. Quando a Luísa  BHnasceu, a gente começou a estudar sobre acondroplasia. A gente viu que o esporte era fundamental. Começamos a fazer fisioterapia motora aos 6 meses e nisso surgiu a natação, modalidade indicada pelos médicos já que ajuda no fortalecimento muscular. Ela foi ficando cada dia melhor e aí fomos convidados para fazer os testes e ela se saiu muito bem”, conta. 

De acordo com o treinador de Natação Paralímpica e iniciação Paradesportiva da associação, Vanderlei Pedro Quintino, além da análise das habilidades, a comissão avalia o comprometimento da família com o atleta. “A gente leva em consideração se a família puxa pra frente, se pai e mãe incentivam o filho. Não adianta montar o castelo  no treino e em casa ele desmoronar. Se há comprometimento, se a família segue as orientações e a criança tem as habilidades, o casamento perfeito. Como foi com a Luísa”, explica o profissional. 

A equipe 

A Associação Paralímpica de Joinville tem atualmente 60 atletas associados com idades entre 5 a 64 anos e trabalha com quatro modalidades: Natação, Vôlei sentado, Canoagem e o Paratriathlon. Vinculada ao Comitê Paralímpico Brasileiro, a AJ tem um repertório significativo de conquistas. Entre as mais importantes está a medalha de bronze conquistada pela nadadora Luana Mendes, na prova 50 metros peito, durante o ISF Gymnasiade School Summer Games, na Normandia, França, em 2022. O ISF Gymnasiade é o maior evento mundial multiesportivo e educacional para estudantes de 16 a 18 anos e reuniu mais de 3600 atletas de 69 países. 

Outra conquista importante foi nas Paralimpíadas Escolares 2022 que aconteceram em São Paulo (SP) em novembro do ano passado. Os seis atletas da Associação Paralímpica de Joinville, convocados para a seleção catarinense, conquistaram 25 medalhas na modalidade natação e foram decisivos para Santa Catarina conquistar o troféu de segundo lugar, tanto na modalidade natação, quanto no total geral, ficando atrás apenas da equipe de São Paulo. Entre os atletas de destaque, Isabeli Domingos, de 13 anos, que tem nanismo e que levou pra casa ouro nos 25m livre e 25m costas, prata nos 25m peito e 25 m borboleta. 

Vanderlei é um otimista do projeto. “Todo esporte fortalece e muito no desenvolvimento de todas as crianças, independente de qualquer situação, pois é uma ferramenta de educação e inclusão, principalmente por oferecer oportunidades tão valiosa só encontrada quem vivência neste meio”.

Kamylla Rodrigues

Kamylla Rodrigues é formada em Jornalismo pela Faculdade Alves Faria (ALFA). Já trabalhou em redações como Diário da Manhã e O Hoje, em assessorias de imprensa, sendo uma delas do governador de Goiás, além de telejornais como Band e Record, onde exerce o cargo de repórter atualmente.
Comentários

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser