Rio tenta lei estadual da Cartilha

Mais uma vez, a comunidade carioca de Nanismo batalha pelos direitos de quem tem baixa estatura: Associação de Nanismo do Estado do Rio de Janeiro (ANAERJ) convida todos a participar de uma audiência pública que vai acontecer no próximo dia 28 de agosto, entre as 10 e as 13h, no Auditório Senador Nelson Carneiro, prédio anexo ao Palácio Tiradentes, 6º andar. O objetivo do encontro é tentar concretizar uma lei estadual que torne obrigatório o uso pedagógico da Cartilha Escola para Todos – Nanismo no Rio de Janeiro.

O lançamento do material, disponível no site do Senado Federal para download, e a luta pela implementação de uma lei Nacional que torna obrigatória a inclusão do material pedagógico na rede pública de ensino incitou o debate sobre bullying e a necessidade de informação preventiva em várias regiões do Brasil.

“Juntamente com deputada estadual Daniele Guerreiro, estamos tentando levar o mesmo tema que foi levado para o senado para ser lei nacional, para concretizar uma lei estadual. Como é muito menos burocrático porque não tem que passar por Senado nem Congresso, estamos debatendo no Rio”, explica Kênia Rio, presidente da ANAERJ.

Para o painel estão agendados o discurso da advogada, ao lado de suas convidadas Roberta Barão, coordenadora do Instituto Nossa Senhora da Piedade (INSP) e bem sucedida em políticas de inclusão aplicadas em ambiente escolar; e as palestras das mamães de Miguel e João Pedro, Sabrina Meireles, e Vai Geni Ferreira, respectivamente. Elas foram convidadas para dividir seus relatos sobre ambiente escolar, adaptação, acolhimento e bullying, nas várias fases da infância.

Além dos palestrantes convidados por Kênia, os deputados membros do Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Rio de Janeiro (Comdef-Rio) também estarão presentes e vão receber cópias da Cartilha, idealizada por Vélvit Severo. Saiba mais sobre o assunto aqui.

Segundo Kênia, que acaba de passar por um processo de inclusão escolar com o neto Bernardo e aluno do INSP, explica que o conhecimento sobre o tema previne adultos e crianças contra o preconceito. “Acho que o bullying ficou muito menor por conta da informação. Me chamaram para palestrar no colégio, acho que isso vai esclarecer para muita gente que não sabe o que é”, conta a advogada.

Aproveitando a oportunidade, queremos reforçar o convite feito pela idealizadora Vélvit para apresentação da Cartilha e criação de uma Associação de Nanismo no Rio Grande do Sul (RS), no próximo dia 24 de agosto, das 10h às 12h, na Ulbra Canoas, em Canoas no RS.

Os interessados em participar devem confirmar a presença AINDA HOJE no email presidencia@faders.rs.gov.br ou pelo telefone da própria Vélvit (53) 99124-6632.

No Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo, Goiás e outros estados as pessoas têm se responsabilizado pela criação de uma realidade onde estatura não permeie sua condição de cidadão. Nem cor. Nem gênero. Nem condição social. A nossa luta é por mais humanidade e cada tijolo colocado é esteio para nossa caminhada rumo à igualdade de direitos e respeito mútuo. Compartilhe e alimente esta corrente.

Rafaela Toledo

Comentários

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais

Somos Todos Gigantes marcado na pele 

Pai de criança com síndrome raríssima faz tatuagem em homenagem ao movimento; família é de Feira de Santana, na Bahia, e participou pela primeira vez de encontro em 2023 As bagagens de vida de Maysa, Anderson e Malu são cheias de desafios, lutas, transformações e

Somos Todos Gigantes marcado na pele 

Pai de criança com síndrome raríssima faz tatuagem em homenagem ao movimento; família é de Feira de Santana, na Bahia, e participou pela primeira vez de encontro em 2023 As bagagens de vida de Maysa, Anderson e Malu são cheias de desafios, lutas, transformações e