Quais são os tipos mais comuns de nanismo?

Saiba os tipos mais comuns de nanismo.

De acordo com informações reunidas pela Greenberg Center no Centro Médico Johns Hopkins e pelo falecido Lee Kitchens, um antigo presidente e pesquisador da LPA, a frequência de ocorrência dos tipos mais comuns de nanismo são:

1. Acondroplasia (um em cada 26.000 a 40.000 nascimentos)

2. Displasia Espondilo Epifisária Congênita (um a cada 95.000 nascimentos)

3. Displasia Diastrófica (um a cada 110.000 nascimentos)

A Acondroplasia, forma responsável por 70% da reincidência da condição genética, resulta no crescimento de braços e pernas mais curtos. A média de altura dos adultos com acondroplasia é de 1,22 metros. Estima-se que este tipo de nanismo afeta 250.000 pessoas no mundo.

Há também o chamado nanismo proporcional, uma condição na qual indivíduos de baixa estatura desenvolvem membros proporcionais em relação ao restante do corpo. Esta desordem geralmente é resultado de uma deficiência hormonal e pode ter tratamento médico, com administração diária de hormônio do crescimento.

De acordo com a LPA, há mais de 200 tipos diferentes de diagnósticos, além de muitas pessoas com nanismo sem nunca terem fechado um diagnóstico definitivo.

Fontes: Little People of America (LPA), Fudacion Alpe, G1, Dwarf Athetic Association (DAA), Terra, The New York Times, Correio Brasiliense, IG, Jusbrasil, Sociedade de Pediatria do Estado do Rio de Janeiro (Soperj), Portal Educação, Portal dos Psicólogos, Drª Jacqueline de Oliveira Fidelis, fonoaudióloga Isabela Roriz, Forbes

Rafaela Toledo

Comentários

2 respostas

  1. Tenho muitas dúvidas em relação a minha filha nunca tivemos um diagnóstico nem acompanhamento consigo pra ela já fui em todo lugar com ela e o desinteresse em ajudar tá estampado na cara dos médicos. Só queria saber o que ela tem ela já na idade das perguntas tem 7 anos , mede 87 centímetros de altura e as perguntas sempre vem pior que eu não sei o que dizer. Se alguém puder me aconselhar sobre o que fazer onde ir já agradeço.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser