Psicólogas falam sobre bullying

A sequência da série de reportagens sobre formas de resistir ao bullying traz entrevistas de duas profissionais sobre o assunto

A sequência da série de reportagens sobre formas de resistir ao bullying traz entrevistas de duas profissionais sobre o assunto

Veja a opinião de duas psicólogas sobre o bullying, formas de entender e reagir. Andréia Martins da Silva, 46, psicóloga e psicopedagoga especializada em crianças e adolescentes aborda o tema mais focada na perspectiva infantil. Já Nádia C. O. Santana, 40, psicoterapeuta existencial e mestre em psicologia se concentra na orientação dos pais que é sua especialidade. Ambas atendem na capital goiana e você pode obter mais informações sobre o atendimento na sessão Profissionais do nosso portal.

 

A próxima matéria da série Como ensinar seus filhos a resistirem ao bullying vai trazer a opinião de dois psiquiatras, com o objetivo de discutir o assunto sob o ponto de vista médico e instruir pais e crianças sobre formas de manter a saúde emocional.

 

Confira agora o quê as especialistas têm a dizer:

 

Andréia Martins da Silva, 46

Foto de Arquivo

Psicóloga

 

#STG – Bullying: Antigamente não existia este conceito. Será que as crianças não eram mais resistentes a este comportamento? A noção do bullying fragiliza mais a vítima?

Psicóloga Andréia – Por mais que antigamente não existisse o conceito, existia o comportamento. A denominação é recente, mas o fonema “bullying” é antigo e se repete continuamente em todo o mundo.

O termo bullying tem origem na palavra inglesa bully que significa valentão, brigão. Apesar de não ter essa palavra específica em português, pode ser traduzido como ameaça, tirania, opressão, intimidação e maltrato.

É extremamente importante a consciência desse fenômeno, pois além de alertar as vítimas pode se propor auxílio à elas. A psicoterapia pode, neste caso, contribuir para o fortalecimento da resiliência e a interrupção do círculo de violência do bullying.

“Dar um nome” à uma violência velada que permeia a sociedade há anos pode auxiliar a busca por essa ajuda através de um trabalho de valorização humana, desconstrução de preconceitos e desenvolvimento de autoestima. Claro que é necessário diferenciar e classificar o bullying correta e justamente.

Para que uma situação seja nomeada de bullying é necessário que a agressão ocorra entre pares (colegas de classe, trabalho). Todo bullying é uma agressão, mas nem toda agressão pode ser classificada de bullying.

 

#STG – Se o preconceito não pertence à vítima, como ensinar os filhos a não interiorizar o bullying? Não achar que de alguma forma é sua culpa?

Psicóloga Andréia – A pessoa que é objeto de bullying poderá ser prisioneira de uma visão de si mesma bastante prejudicada, pois ser alvo de bullying resulta em uma auto imagem de incapacidade e impotência, acrescida por sentimentos de desvalorização e abandono.

A melhor forma de enfrentar tal prisão é promover a resiliência. Ser resiliente é desenvolver uma capacidade de reconhecer o perigo diante de uma situação de estresse, sentir-se por ele atingido e demonstrar que é possível se recuperar e prosseguir.

Famílias, filhos e terapeutas precisam caminhar juntos com a visão de que embora o ambiente apresente riscos, apresenta também fatores que podem proteger as pessoas, possibilitando a construção da resiliência e do fortalecimento do ego, evitando possíveis ideias de culpa por parte da vítima.

 

#STG – Como os pais podem convencer uma criança que começa a se sentir diferente que a diferença é normal?

Psicóloga Andréia – Uma das questões é qual o “olhar” da família dessa criança para o que é instituído como normalidade ou não.  Necessariamente os primeiros contatos ocorrem dentro do contexto familiar e a maneira se lida com a criança é fundamental para o desenvolvimento de sua autoestima.

É importante saber qual o valor dado pelo indivíduo e sua família às adversidades. Se a reflexão e a interpretação do meio é feita desde o início com naturalidade pelos pais, esse processo se dá de forma mais natural também para os filhos.

Pessoas são todas diferentes umas das outras, cada um em seu padrão e estrutura, seja física, social, cognitiva ou emocional. Estas diferenças não podem ser duramente encaradas como defeitos ou qualidades, mas como características individuais e familiares.

 

#STG – Alguns chegam a entrar em depressão por conta da baixa estatura. Não querem sair de casa. Têm vergonha das pessoas. Como lidar com estes casos? Tem alguma dica para estimular o olhar deles para além da estética?

Psicóloga Andréia – A intensidade do sofrimento geralmente depende da relação entre os eventos e a capacidade e força egóica da pessoa que sofre. Quanto mais for possível prever e acionar defesas, menos graves serão os quadros depressivos.

Os pais são grandes aliados dos filhos nestes momentos. Promover através da relação com o filho o fortalecimento de sua autoestima desde pequeno auxilia imensamente. (Veja o exemplo disso na relação pai e filho travada pelos personagens do filme “Little Boy“, listado como sugestão na segunda matéria a série sobre bullying).

Faz-se necessário buscar profissionais que auxiliem a criança e a família a reconhecer que é possível superar o sofrimento psíquico. As perspectivas de ação pelo direito da cidadania, o fortalecimento de uma atitude de auto aceitação, de autoconfiança, em suma, de resiliência, a família possa perceber que a baixa estatura não pode ser o foco de um ser humano gigante.

 

#STG – As adaptações em casa e na escola fazem bem ou mal para autoafirmação e autoestima?

Psicóloga Andréia – A partir de 2004, quando o nanismo foi incluído na lei de cotas para deficientes no mercado de trabalho, o próprio meio teve que fazer algumas alterações para adaptar o ambiente à pessoas com nanismo.

Mesmo anteriormente, a Constituição Federal de 1988 enaltece que os seres humanos são igualmente detentores de direitos, deveres e obrigações. Desta forma, claramente os direitos de circularem à vontade e com conforto são estabelecidos.

Sabemos, entretanto que nem sempre estes direitos são respeitados. Ter um espaço onde os mesmos possam ser considerados, é uma forma de incluir e valorizar a criança, o jovem e o os adultos portadores de nanismo. O que destrói a autoestima é o desrespeito e desconsideração sejam expressos em formas físicas, materiais ou relacionais.

 

#STG – A adolescência é a fase onde geralmente os pequenos sentem mais o preconceito social. Como os pais podem se preparar para esta fase e preparar os filhos?

Psicóloga Andréia – Em especial a adolescência é um período marcado por diversas mudanças na área biopsicosocial, bem como um período que propicia a sensação de vulnerabilidade para muitos adolescentes.

Nesta fase, o adolescente costuma valorizar bastante o vínculo com seus pares. Busca conhecer e explorar novas situações.

Neste momento, em especial para nossos gigantes, a relação que os pais estabeleceram desde a infância terá uma influência ilimitada.

Não há como evitar a vulnerabilidade (vulnus = ferida) neste período, porém a capacidade de resiliência que foi plantada desde a infância pode e deve fortalecer durante esta etapa.

É a resiliência que irá favorecer um desenvolvimento sadio mesmo que o indivíduo esteja inserido num ambiente não adaptado, não se deixando sucumbir por ele. Por isso o preparo dos filhos começa, sem dúvida desde a gestação e segue seu curso.

 

Nádia C. O. Santana, 40

Foto de Arquivo

Mestre

 

#STG – Quando fica sabendo que terá um bebê com nanismo, uma criança que vai sofrer mais limitações que alguém de média estatura, muitas mães se desesperam. Como a terapia poderia ajudar os pais a lidar com a gravidez?

Psicóloga Nádia – A Psicoterapia, neste caso, visa ampliar a visão dos pais além do que é estabelecido pela cultura do preconceito. Conscientizá-los dos seus potenciais para lidar com a situação. E refletir sobre o direito ético à vida.

 

#STG – Como os pais podem ensinar as crianças a superarem os olhares maldosos?

Psicóloga Nádia – A melhor e talvez única maneira de ensinar isso é trabalhando em si (pais) o preconceito e ampliando o respeito. Se os pais as respeitarem, ensinarão as crianças a se respeitarem. E respeitando a si mesmo, o olhar do outro não o ferirá.

Grupos informativos e de troca de experiências para os familiares é um caminho muito positivo. O grupo fortalece.

 

#STG – Como abordar o assunto nas rodas sociais para evitar o preconceito? Como proceder em relação à família e escola para que a criança tenha qualidade de vida e firmeza emocional?

Psicóloga Nádia – A informação e o respeito são os antídotos contra o preconceito. De forma nenhuma é indicado que se façam piadas, por mais inocentes que possam parecer.

O preconceito acontece, entre outras coisas, por falta de informações. Quando se mostra a realidade, está-se informando. Ninguém muda ninguém com a crítica. Também não mudamos a sociedade criticando. Podemos mudar, informando (sem drama) como nos sentimos em relação às situações.

E voltando à tecla do respeito, se nos respeitamos, apresentamos nossa situação de maneira respeitosa, o que já faz com que o outro nos respeite um pouco mais.

 

#STG – A ampla discussão do bullying torna as crianças da atualidade mais frágeis?

Psicóloga Nádia – O bullying sempre existiu. É preciso combatê-lo. Mas não é possível exterminá-lo. Por isso, precisamos nos preocupar com uma educação promotora de saúde emocional, de autoestima e de respeito a si mesmo e aos outros. Assim, os efeitos do bullying serão amplamente minimizados.

 

#STG – O fato deste comportamento ser socialmente aceito há alguns anos tornava as crianças mais resistentes às pressões sociais?

Psicóloga Nádia – Não acredito que nenhuma forma de crítica fortaleça, desenvolva ou nem mesmo promova mudança. A crítica pejorativa é uma agressão.

 

#STG – Um adulto, já amargurado por uma vida de limitações, dores e preconceito, pode se beneficiar de terapia também?

Psicóloga Nádia – Sem dúvida nenhuma. Esse é o grande objetivo da psicoterapia: trabalhar as dores, fortalecer emocionalmente, ressignificar, tornar o indivíduo responsável pelo seu bem estar.

 

#STG – Qual a sua sugestão para quem sofre de bullying a ponto de não mais sentir vontade de conviver em sociedade?

Psicóloga Nádia – Indico uma intervenção multidisciplinar. Caso fosse meu paciente, eu faria uma Avaliação Profunda de Personalidade, para verificar como está a estrutura psicológica, provavelmente indicaria um tratamento biomédico, evitando a intervenção com medicações psiquiátricas e, nos casos mais graves, o psiquiatra também auxiliaria.

 

#STG – Você acredita que a internet aumentou a incidência de transtornos emocionais relacionados ao bullying? Por que?

Psicóloga Nádia – Acredito que está mais fácil porque as pessoas ficam menos receosas, mais corajosas em ter esse tipo de comportamento na internet do que pessoalmente. É mais grave porque a quantidade de pessoas que “assistem” é maior. E quanto maior a plateia, mais exposição, mais vergonha, mais sofrimento.

 

#STG – Qual a idade certa para uma criança ter acesso livre à internet? Você indica o uso de equipamentos eletrônicos desde criança?

Psicóloga Nádia – Na minha opinião, o acesso à internet nunca deve ser livre para a criança. Sempre supervisionado e limitado em tempo.

Não tem como fugir do uso dos equipamentos eletrônicos mas ele deve ser restringido ao mínimo possível.

 

Se você gostou não esqueça de compartilhar este conteúdo. Ele pode ajudar mais pessoas com a sua ajuda.

 

Rafaela Toledo

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser