Pesquisa para Cadeira Transportável para pessoas com Nanismo

Alunos da Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha em Novo Hamburgo (RS) despertam um olhar sensível sobre a dificuldade de mobilidade de algumas pessoas com nanismo e desenvolvem o projeto “Cadeira Transportável para Pessoas com Nanismo”.

O objetivo é trazer mais autonomia para quem tem baixa estatura e, simultaneamente, cuidar da saúde postural.

Para realizar o trabalho, os alunos de Mecânica Industrial precisam de nossa ajuda para desenvolver o design adequado à anatomia de quem tem nanismo. Vanessa Taiâne de Moraes, 17, Eduardo Luiz Jesus, 18 e Ramon Scherner, 19, nos enviaram um formulário realmente fácil e rápido de responder. 

Basta tirar dois minutinhos e a gente ajuda a produzir uma realidade com alternativas práticas que tornem o mundo mais acolhedor para quem tem baixa estatura. Vamos lá? Acesse e faça sua parte.

Importância deste tipo de projeto

Acompanhe as próximas publicações e conheça o caso de Davi, o menino que têm enfrentado dificuldades porque a Secretaria de Educação de sua cidade não aprova a instalação de uma cadeira adaptada que seja adequada para o seu tamanho porque já enviou um equipamento destinado à pessoas com deficiência. O problema é que o equipamento não atende à sua estatura. E, em função da falta de acessibilidade, toda a família têm sofrido sem confiar que Davi está seguro quando está na escola. O menino já foi vítima de duas quedas perigosas na instituição de ensino exatamente porque faltam adaptações específicas para pessoas com nanismo.

“A maioria das cadeiras que são feitas propriamente pra quem tem nanismo são caras e pesadas. E se essa pessoa estudasse em uma escola que troca de sala, por exemplo, como que ela levaria a cadeira? Não seria possível. Seria necessário mais uma cadeira ou a ajuda de alguém para transportar a cadeira. Até no dia a dia mesmo, se a pessoa com baixa estatura vai em um restaurante, muitas vezes precisa de ajuda pra subir na cadeira, ou alguma adaptação. A partir disso, pensamos em fazer uma cadeira que suprisse todas as necessidades de uma pessoa com nanismo, principalmente em relação à postura. E que de pra levar para todo lugar”, explica a estudante Vanessa sobre o projeto que é estudo de caso desta pesquisa publicada hoje.

Por isso, se você ainda não participou da pesquisa, entre AGORA mesmo e faça sua parte. 😉

Rafaela Toledo

Comentários

Uma resposta

  1. Parabéns, acho que o projeto de vocês é muitíssimo necessário. Sou médica do trabalho e já vivenciei algumas situações de extrema dificuldade para tornar um ambiente de trabalho ergonomicamente aceitável (ideal ainda não conseguimos) para uma pessoa portadora de nanismo.
    A melhor solução encontrada para um posto de trabalho fixo e informatizado foi a construção de um praticável, com escadinha de acesso, corrimão e guarda-corpo, de modo que a pessoa pudesse utilizar uma mesa de trabalho na mesma altura dos demais, diminuindo assim o constrangimento geral. O projeto foi desenvolvimento pelo INT (Instituto Nacional de Tecnologia, no RJ) há exatos 20 anos e ainda se encontra em pleno uso. A cadeira, que seria feita sob medida, acabou não sendo concretizada por entraves burocráticos. Utiliza-se uma cadeira comum. A regulagem de altura da mesma foi calculada para que ela fosse inserida por uma fenda no praticável e a pessoa conseguisse sentar e levantar sem necessidade de ajuda. Houve bastante sucesso nisso. No entanto, essa solução é um mobiliário grande e FIXO. Qualquer reunião em outro local é um transtorno. Assim, acho que a ideia de vocês é simplesmente genial. Sucesso!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser