Nanismo é tema de concurso de redação e desenhos em escolas do Maranhão

Ação foi realizada por pais de criança com a deficiência

Em Balsas, no Maranhão, a ideia de uma família mobilizou toda a cidade. Os pais do Caio Gabriel, que tem uma displasia óssea ainda não identificada, lançaram, com apoio da prefeitura da cidade, um concurso de desenho e redação com o tema: ‘Nanismo e as várias faces do capacitismo’. No total, 31 escolas municipais e quatro escolas particulares decidiram participar da ação.

“É uma iniciativa muito importante, e é muito legal ver que essa ideia surgiu a partir de um encontro. É fundamental termos ações como essa na área da educação que é onde a transformação de fato começa. Nossa intenção é fazer com que esse concurso se espalhe por outras cidades no Brasil futuramente, para que cada vez mais discussões sobre nanismo estejam presentes no cotidiano das escolas e na sociedade”, afirma o Líder do Movimento Somos Todos Gigantes, Gabriel Yamin.

Zilma Rocha, mãe do Caio Gabriel, de 8 anos, participou de um encontro do movimento Somos Todos Gigantes em 2019, em Goiânia. Voltou pra casa e disse que queria fazer algo pra mudar a própria cidade. Ao lado do marido Edilson Ramalho, desde então, realizou formas de conscientização. Os dois foram pras ruas, pras escolas e para a imprensa!

Neste ano ela inovou ainda mais. Decidiu montar um concurso de redação, buscou apoio municipal e não imaginava a proporção que a ideia tomaria. No total, são 35 escolas envolvidas, campanhas nas redes sociais e também apoio da imprensa local. A banca examinadora conta com professores da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA).

“Fiquei muito feliz com a ação desse ano porque os alunos ficaram informados e conheceram mais sobre o nanismo. Eu fui convidado para ir em escolas públicas e particulares. Lá eu conheci os alunos, eles fizeram perguntas para mim, perguntaram minha idade. Também participei de um pedágio com os meus pais e com alguns amigos meus. Estou esperando a festa da premiação das melhores redações e estou muito feliz”, contou, empolgado, Caio Gabriel.

A premiação será neste dia 25 de outubro, Dia Nacional de Combate ao Preconceito contra a Pessoa com Nanismo. Os premiados ganharão: tablets, bicicletas, patins e skates. “Para os alunos do Ensino Fundamental 1 foi concurso de desenho e para o Fundamental 2, redação”, explica Zilma.

Catherine Moraes

Jornalista por formação e apaixonada pelo poder da escrita. Do tipo que acredita que a informação pode mudar o mundo, pra melhor!
Comentários

3 respostas

  1. Excelente iniciativa, os pais do gigante Caio Gabriel, Zilma e Edilson, estão de parabéns pelo empenho e dedicação em levantar a bandeira do nanismo 👏👏👏👏👏👏

  2. Conheci Caio Gabriel baby veio Fortaleza Ceará ser diagnosticado e tratamento. Pais excepcionais uma educação muito especial divulgando sobre nanismo cidade do Maranhão,sou portadora Osteogenesis Imperfeita ossos de Cristal sempre voluntária síndromes raras

  3. Conheço a luta desta família desde da época que precisava tomar um leite especial e de custo muito alto. E vejo que a luta é continua porque é preciso sair do núcleo família e ir para sociedade de cabeça erguida para mudar essa realidade do pré conceito que se estabeleceu através da ignorância.
    O conhecimento e a persistente são instrumentos poderosos para mudar esse cenário lamentável ainda.
    Deixo aqui o meu apoio e admiração pelo Gigante Gabriel e sua família, que Deus continue dando força e coragem para que nada pare a voz de vocês! Grande abraço a todos!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser