Menor Homem do Brasil

Pesquisa do Somos Todos Gigantes avança e encontra uma pessoa menor (e muito!) do que Rafaela Sousa de 71 cm

Pesquisa do Somos Todos Gigantes avança e encontra uma pessoa menor (e muito!) do que Rafaela Sousa de 71 cm

 

Contando com o apoio de colaboradores queridos e atentos, o portal Somos Todos Gigantes encontrou alguém ainda menor do que a youtuber Rafaela Sousa, 33, de 71 cm. Foi a carismática Maisa Matos, 34, quem encontrou Rovilson Aparecido de Andrade Bicudo, 37.

 

Foto de Arquivo

 

Colaboradora

Maisa Matos posa com as amigas mostrando que também é uma das menores pessoas do Brasil

 

A vendedora, atriz e cantora de 76 centímetros quase empata em estatura com Camila Feitosa apresentada pela Record como a menor mulher do país, com 73 cm. Ela conheceu o aposentado que mede 58 cm – consideráveis 13 cm a menos que Rafaela – nas redes sociais e compartilhou o achado com nossa equipe na Fanpage da campanha. Rovilson é apenas 4cm maior do que o recordista Chandra Bahadur Dangi, que morreu em setembro de 2015, aos 75 anos.

 

Foto: http://www.inquisitr.com

Nepalês

Chandra Bahadur Dangi, registrado no Guinnes Book como o menor homem do mundo

 

O objetivo desta sequência de reportagens é encontrar a menor pessoa do país para contribuir com pesquisas pessoais e científicas, sobre o tema nanismo. Sempre levando informações exclusivas e oficiais, este site tem a pretensão de encontrar apoio do público para chegar até este dado e construir uma pesquisa de estatura inédita no Brasil.

 

Foto de Arquivo

Menor

Rovilson com seu cachorro de estimação e sua alegria peculiar

 

Rovilson pesa 29 quilos e 300 gramas, pouco mais do que uma criança de colo. É aposentado. Não caminha. Usa a cadeira de rodas para se locomover e mora com a irmã e o cunhado. Apesar de ser o menor homem do Brasil (até o momento), ele não acredita neste recorde e nem acha que tem nanismo.

 

Foto de Arquivo

Menor

Ainda na cadeira antiga, o gigante demonstra disposição

 

“Na verdade, anão eu não sou. Minha deficiência se chama osteogênese, mais conhecida como ossos de vidro. Mas pode ser considerada como nanismo porque também não cresci, o osso não desenvolveu”, sugere.

 

Fomos tirar a dúvida com Drª Denise Cavalcanti, coordenadora do Programa de Genética Perinatal e do Grupo de Displasias Esqueléticas da UNICAMP e professora associada do Depto. de Genética Médica da universidade. A geneticista colaboradora do #STG confirmou: o caso de Rovilson se enquadra como nanismo.

 

De acordo com a professora especialista em diagnósticos de displasias ósseas, nanismo é toda condição que cause baixa estatura. “Como a Acondroplasia é muito frequente, alguns acham que nanismo compreende apenas esta condição. No entanto, isso não é correto”, corrige a médica.

 

O caso da osteogênese imperfeita (doença de Lobstein ou doença de Ekman-Lostein), também conhecida pelas expressões “ossos de vidro” ou “ossos de cristal”, também pode ser considerado nanismo, quando for causa de baixa estatura acentuada.

 

Esta doença afeta aproximadamente uma em cada 20 mil pessoas e tem como característica principal a fragilidade dos ossos que quebram com enorme facilidade. Pode ser congênita ou tardia, variando de sintomas consideravelmente de acordo com o tipo de incidência.

 

O tamanho do sonho de um Homem

 

Foto de Arquivo

Menor

Rovilson estudando e alimentando o sonho de ajudar pessoas como ele

 

“Desde que me conheço por gente nunca vi pessoa menor que eu. Eu acho que na minha cidade aqui onde moro eu sou o único. Não tem menor que eu, mas eu acho que em outros locais pode ter sim”, imagina com humildade Rovilson, morador de São Roque (SP).

 

Apesar disso, sonha alto, quer ajudar as pessoas e não se deixa abater pelos obstáculos. “Preciso de ajuda para algumas coisas. Por exemplo, como eu sou pequenininho, eu não ando. Tem que me descer para o chão para eu ir me arrastando até o banheiro. Para tomar banho. Eu como sozinho, me visto sozinho, mas daí a minha irmã me ajuda porque eu demoro mais. Ela e meu cunhado. Mas sou quase independente. Faço quase tudo sozinho. Se a casa fosse totalmente adaptada, eu faria tudo sozinho”, conta orgulhoso.

 

Foto de Arquivo

Menor

“Cadeiras de rodas não deviam ser tão caras”, reclama o entrevistado

 

Rovilson é um homem de fé. Seu sonho é conseguir apoio para ajudar pessoas em situação especial como ele. “A gente que tem esses problemas precisa de um empurrão forte. Das pessoas ajudarem a gente. Eu tenho um sonho sim. Não quero ser famoso mas se a mídia pudesse me ajudar eu ficaria muito feliz e grato porque eu busco fazer minhas obras sociais e ajudar aqueles que precisam”, dá o exemplo.

 

O gigante se incomoda com a indiferença de governo e sociedade com relação aos deficientes em todas as condições. Gostaria de usar sua história de vida para comover e ajudar pessoas, além de angariar fundos para um apoio mais efetivo aos mais necessitados. Por isso, vamos divulgar seu contato: (11) 97589-8643 (WhatsApp); e seu perfil Rovilson Andrade. Assim aquele que sentir vontade de colaborar pode falar diretamente com ele.

 

Foto de Arquivo

Menor

Acessível, o menor homem do Brasil se coloca à disposição de quem precisa

 

“Tenho até um canal no Youtube mas tenho que fazer um novo. Eu queria fazer obras sociais. Ajudar pessoas deficientes que precisam. Fazer vídeos ao vivo… Para mim, eu não quero nada. Só ajudar as pessoas que precisam e pregar o evangelho porque eu dou palestra também”, informa.

 

Se, como diz o poeta Fernando Pessoa, “um homem é do tamanho do seu sonho”, a estatura não aprisiona este pequeno. Ele mostra nas fotos como é uma pessoa feliz e comove com sua fé.

 

Conselho

A história de vida de Rovilson é um exemplo de superação. Quando criança, sua avó acreditava que era melhor escondê-lo, por ser especial. Sua mãe, ao contrário, sempre estimulou o filho a viver normalmente, enquanto pôde estar ao lado dele nesta vida.

 

Foto de Arquivo

Menos

Em clima de carnaval, ele demonstra que não há porquê se esconder e deixar de viver

 

“Quando tem uma criança que nasce assim ou você vai adotar, eu acho que você tem que dar o melhor. Não de coisas materiais, mas de carinho, atenção, amor, paciência, e aceitar do jeito que a pessoa é. Mostrar para a sociedade. Não esconder. Saia mesmo com seus filhos. Mostre que eles também têm direitos como todos, são normais como todos. Têm direito de sair, de frequentar os lugares, tudo que uma pessoa qualquer queira fazer. Para quebrar este preconceito”, aconselha o gigante.

 

Foto de Arquivo

O

Ao lado de Gugu Liberato em 2010 quando quase participou do programa do apresentador na Record

 

Ele lembra que, em geral, as oportunidades são muito mais escassas para quem tem algum tipo de deficiência. “Tudo para a gente é mais difícil. Para namorar. Para trabalhar. Para sair. Porque as coisas não são adaptadas. Eu acho que o governo devia olhar mais com carinho para a gente. Para comprar uma cadeira de rodas você paga um absurdo e não devia ser tão caro assim. Tanta coisa que é difícil para deficiente. Parece que a sociedade e o governo deixam a gente excluído”, lamenta.

 

Foto de Arquivo

Rovilson

Assistente de palco de Gugu “tirando casquinha” de Rovilson

 

Apesar de tudo ser mais difícil, histórias de vida como as de Rovilson, Rafaela Sousa e Camila Feitosa nos convencem de que nada é impossível quando há fé e força de vontade. Escolha viver!

 

Foto de Arquivo

Menor

O gigante e a calopsita: carinho recíproco

 

Se seu coração lhe disser para colaborar, compartilhe esta matéria nas suas redes sociais. Vamos dar voz ao sonho de Rovilson e procurar mais pequenos pelo território nacional. Conhece alguém menor que ele? Por favor não deixe de nos comunicar pelos nossos perfis nas redes sociais ou pela aba de contato aqui mesmo no portal. Juntos #somostodosgigantes!

 

Com informações do G1 e do site de Drauzio Varella

Rafaela Toledo

Comentários

3 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser