Instituto Nacional de Nanismo participa de evento com primeira-dama e de audiência com presidente Bolsonaro

Foi um dia histórico para o nanismo no Brasil. Famílias de 12 crianças – representando o Instituto Nacional de Nanismo (INN) – participaram, nesta quarta-feira (9) da 2ª edição do Natal Voluntário, realizado pelo Conselho Pátria Voluntária, que tem como presidente a primeira-dama do país, Michelle Bolsonaro. O encontro começou pela manhã e se prolongou por toda a tarde, e ocorreu no Palácio da Alvorada, em Brasília. Além de Michelle, também estiveram presentes outras autoridades, como a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, e os Presidentes da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, e dos Correios, Floriano Peixoto Vieira Neto. 

Ao final do evento, a primeira dama, que parece ter se apaixonado pelos nossos Gigantes, pediu ao marido que recebesse a turminha do Somos Todos Gigantes. A agenda do grupo no Distrito Federal (DF) terminou, assim, em uma audiência surpresa com o presidente Jair Bolsonaro. Além da diversão para as crianças, o evento foi um marco para o Instituto, que se formou recentemente e que busca agora maior visibilidade para a causa no país.

Na semana passada, o governo federal criou o Comitê Interministerial de Doenças Raras. O decreto de criação foi publicado no Diário Oficial da União da sexta-feira (4) com o objetivo de desenvolver políticas públicas e também incentivar a troca de experiências e práticas relevantes entre a administração pública, instituições de pesquisa e entidades representativas. Agora, o grupo teve a oportunidade de levar suas demandas diretamente a autoridade máxima do Poder Executivo. Foi uma oportunidade única e inédita de lançar sementes nos lugares mais altos e cujos solos têm o maior potencial de fertilidade. 

Presidente do INN, Juliana Yamin explica que o instituto está preparando um projeto para apresentar no ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos. Nesta quarta-feira (9), tiveram a oportunidade de conversar não apenas com Damares, mas também com a primeira-dama e, de surpresa, com o presidente. “Passamos um dia como acho que nunca pensamos em passar. Pessoas com nanismo que já foram tantas vezes tratadas como subgente, hoje se sentiram mais importantes que a maioria da população brasileira”, acrescentou.

O dia foi considerado histórico para o grupo, que ressalta a importância de a causa permanecer em evidência independentemente dos governantes. “Não quero troféus nem medalhas, quero deixar um legado: que o Brasil que recebeu meu filho quando ele nasceu seja muito mais preparado, justo e respeitoso para receber meus netos. Estamos emocionados e esperançosos por um olhar diferente sob a nossa causa e vamos conseguir plantar boas sementes”, finaliza Juliana.

A industriária Maria Thereza Coelho, de 37 anos, é mãe de três filhos, dois deles com nanismo: Pietro de 11 anos e Laura de 3.  Participante do evento destacou a acessibilidade preparada para os convidados e também a oportunidade de dar visibilidade à causa. “Nunca achei que seria possível sermos recepcionados não só por ministros e pela primeira-dama, mas também pelo presidente. É mais que a causa do nanismo, é um olhar para as doenças raras”, completou.

A administradora Arieli Ishii, de 31 anos, é mãe do Davi de 1 ano e 10 meses, que também possui acondroplasia, o tipo mais comum de nanismo. Feliz com a oportunidade, falou do ineditismo de colocar o assunto em pauta nacionalmente. Mariana Ricci, mãe de três filhos (dois deles com nanismo, Edu e Heitor), se emocionou: “nossos filhos pisaram em lugares que jamais imaginamos. Eles vão ganhar esse mundão!”, desabafou. Monalisa Ned conta que o pai, o cantor Nelson Ned, também esteve com Presidente da República da época (João Figueiredo), e recorda que muitos artistas julgaram o cantor por causa de política. “Mas meu pai sempre me dizia uma coisa: filha, devemos ser fonte de benção e florescer onde Deus nos coloca”, completa.

Sementes lançadas no planalto central, resta agora seguir adiante crendo que viveremos tempos em que nossos filhos e netos poderão colher os frutos de uma nova era para as pessoas com nanismo.

INN

O Instituto Nacional de Nanismo (INN) foi criado em setembro de 2020, mas nasceu anos antes, com o movimento Somos Todos Gigantes (STG), que em 2015 era apenas uma hashtag. No ano seguinte foi criado o site que se tornou o principal e até hoje único portal exclusivamente dedicado ao nanismo no Brasil.

A ideia de criar o instituto surgiu quando o casal Marlos Nogueira e Juliana Yamin, pais do gigante Gabriel, perceberam que as demandas não poderiam ser totalmente atendidas pelo STG. Conversando com o Gabriel e compartilhando essa preocupação, ouviram do próprio filho a ideia de transformar o STG em Instituto. 

 

Catherine Moraes

Jornalista por formação e apaixonada pelo poder da escrita. Do tipo que acredita que a informação pode mudar o mundo, pra melhor!
Comentários

Uma resposta

  1. Quando leio esta matéria me emociono. Fico muito feliz de nossos gigantes terem este tipo de visibilidade . Sou pai de um lindo gigante. Hoje com 20 anos ele é bonito, inteligente, cuidar do seu corpo e é fisioculturista e estudantes de direito. Ele faz coisas que eu nunca fiz na vida e fico muito orgulhoso por isso.
    Gostaria que um dia ele fosse as Olimpíadas já que já foi campeão de jiu jitsu estadual em sua faixa quando menor de idade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser