Dr. Nelson Astur Neto no 3º Congresso de Nanismo

Pela primeira vez em um Congresso de Nanismo, o ortopedista mestre em medicina pela Santa Casa De São Paulo, especialista em coluna pediátrica e cirurgia minimamente invasiva da coluna falou sobre peculiaridades ortopédicas de pacientes acondroplásicos e casos onde há necessidade de intervenção cirúrgica.

O médico também é instrutor da Universidade do Tennessee, nos Estados Unidos e membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT), da Sociedade Brasileira de Coluna (SBC), da Academia Americana de Cirurgia Ortopédica (AAOS), da Sociedade Norte Americana de Coluna (NASS) e do conselho diretor do capítulo Brasil da AOSpine.

Nelson tem várias publicações, capítulos e apresentações nos principais jornais de ortopedia americanos indexados e em congressos de especialidade. Atua no Grupo de Coluna da Santa Casa De São Paulo desde 2010 e atualmente também atende no Hospital Albert Einstein.

Acompanhe agora um resumo funcional da palestra do especialista no segundo dia de Congresso em Goiânia.

Palestra Dr. Nelson Astur Neto

O médico começou fazendo referência ao Dr. Michael C. Ain, o único ortopedista pediátrico da coluna com Acondroplasia nos Estados Unidos, segundo o palestrante. Ele atua no Hospital Johns Hopkins e tem vários artigos científicos publicados sobre as particularidades ortopédicas da Acondroplasia.

Antes de começar a falar sobre as peculiaridades deste tipo de paciente, o médico explicou superficialmente sobre as vértebras, o funcionamento da coluna e os tipos de deformidade: Escoliose, Cifose e Lordose.

Cifose Toracolombar

É uma das características ósseas da Acondroplasia. “Para o paciente acondroplásico, a cifose, ao invés de estar no segmento toráxico, fica mais baixa”, explica Dr. Nelson sobre o abaulamento nas costas que se forma geralmente em crianças, na fase em que começam a se sentar (conhecido como giba).

Foto de Divulgação
Foto de Divulgação
Giba formada pela cifose toracolombar típica.

Nestes casos, a ossificação é anormal, com menos condrócitos, formando ossos mais curtos que podem limitar os movimentos e alterar o alinhamento causando também deformidades.

Isso acontece por causa de atrasos no desenvolvimento motor, hipotonia (pouca rigidez muscular) e proporções diferentes de tronco, abdômen e cabeça. “Com o tronco e a cabeça maiores, há uma alteração do equilíbrio”, observa.

De acordo com o ortopedista, o ápice mais baixo da cifose, em geral, se resolve com correção natural ainda no primeiro ano de vida. É importante observar os sinais de alerta para casos onde a alteração da coluna pode se agravar:

  • Pacientes com atraso no desenvolvimento motor têm quatro vezes mais chances de piora.
  • Quando o ápice da curva está desalinhado, amassado, a tendência é piorar.

Nelson comenta estudos mais recentes assinados por Dr. Ain MC (2016), o ortopedista citado na abertura de sua palestra, nos quais é constatada uma possibilidade de cifose de 79%, dos quais mais de 52% apresentam curvatura mais acentuada do que 25 graus. Ainda nesta pesquisa, se observou que 60% dos pacientes acondroplásicos apresentam escoliose, mas destes apenas 6% têm uma curvatura mais grave com mais de 25 graus.

“Para compensar a cifose baixa é comum formar hiperlordose (curvatura acentuada na lombar no sentido oposto ao da cifose)”, diz o médico, completando sobre a alta rotatividade da pélvis e a característica do bumbum mais inclinado. “A partir dos 40 anos pode acarretar muitas dores lombares”, pontua.

Tratamentos

  • Casos iniciais: nos primeiros anos de vida é indicada a reeducação postural. Como está associada à fase em que a criança senta, é importante não apressar esse movimento. Forçar a criança a se sentar é imprimir o peso do corpo todo em uma coluna ainda não preparada.
  • Quando evolui: a cifose pode ser tratada com coletes, que podem evitar a cirurgia mas devem ser estritamente necessários pela aplicação totalmente desconfortável para pacientes ainda muito jovens (menos de quatro anos, com curva menos acentuada do que 25º).  Entre 20 e 40º o indicado é acompanhamento periódico porque, caso progrida e não haja intervenção cirúrgica no momento ideal, isso pode ser um problema. Sempre atentar para dores nas pernas e problemas urinários.
Foto de Divulgação
Foto de Divulgação
Exemplo da ação do colete.
  • Quando a curvatura supera 40º ou quando há déficit neurológico: cirurgia. Dr. Nelson mostrou o exemplo de um caso acompanhado por ele na China em que o paciente adulto apresentava uma curva de 120º. O tratamento envolveu tração craniana, quando foi possível reduzir a deformidade em 20º, depois cirurgia mais invasiva, com uma correção final de 52º.

Foto de Divulgação
Foto de Divulgação
Paciente na China com 120º de curva.

Estenose do Canal Vertebral

Foto de Divulgação
Foto de Divulgação
Dr. Nelson sobre coluna dos acondroplásicos.

Outra característica anatômica da coluna de quem tem Acondroplasia é o estreitamento do canal por onde passa o enervamento responsável pelos movimentos e sensibilidade, dentro das vértebras.

“A cifose também agrava essa situação. No acondroplásico, vértebras e pedículos são menores e mais grossos. Caso isso piore com o tempo, pode haver problemas”, conta o cirurgião.

Segundo ele, os sintomas da estenose do canal vertebral aparecem em cerca de 90% desses casos e tendem a se agravar entre a terceira e quarta década de vida do paciente. “Vinte e cinco por cento vão precisar de cirurgia para descompressão dos nervos”, avalia e compartilha uma lista de indicações cirúrgicas.

  • Sintomas progressivos
  • Retenção Urinária
  • Muita dor para andar
  • Sintomas Neurológicos durante o descanso

“A taxa de sucesso deste tipo de cirurgia é boa mas os sintomas podem voltar e há possibilidade de novas cirurgias. Cada vez que passa por uma operação deste tipo, a taxa de sucesso diminui”, explica e finaliza: “A chave é identificar o problema cedo para evitar cirurgias mais complexas”.

Assista agora à palestra completa de Dr. Nelson Astur Neto:

Rafaela Toledo

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser