Dia Nacional do Combate ao Preconceito contra as Pessoas com Nanismo

PLS 657/2015

PLS 657/2015

Institui o Dia Nacional do Combate ao Preconceito às Pessoas com Nanismo.

 

 

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Art. 1º Fica instituído o Dia Nacional do Combate ao Preconceito às Pessoas com Nanismo, a ser celebrado anualmente no dia 25 de outubro.

Art. 2º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

 

JUSTIFICAÇÃO

O Nanismo é uma doença genética que provoca um crescimento esquelético anormal, resultando num indivíduo cuja altura é muito menor que a altura média de toda a população.

 

As características mais comuns do nanismo são a baixa estatura, pernas e braços pequenos e desproporcionais ao tamanho da cabeça e ao comprimento do tronco. O encurtamento ocorre principalmente na parte superior dos braços e nas coxas. Um indivíduo afetado possui uma estatura entre os 70 cm e 1,40 m, dependendo da condição que o afeta.

 

Atualmente existem 200 tipos de nanismo e 80 subtipos. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) não tem um levantamento de quantas pessoas possuem a anomalia no Brasil. Entretanto, a Medicina estima que entre 15 a 26 mil crianças nascidas vivas uma tem a deficiência.

 

O nanismo passou a ser classificado como deficiência e, consequentemente, a receber o mesmo tratamento legal concedido às pessoas com necessidades especiais, somente a partir da edição do Decreto nº 5.296, de 2 de dezembro de 2004, o qual regulamenta as Leis nºs 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências.

 

A falta de acessibilidade nos meios de transportes, prédios, banheiros públicos, bancos, etc. é uma das maiores dificuldades enfrentadas por esse grupo de pessoas. Além disso, a discriminação social representa um dificultador importante para o acesso dessas pessoas ao mercado de trabalho.

 

Por essa razão, grande número de pessoas com nanismo sujeitam-se a trabalhos que ridicularizam a sua imagem em função de seu tamanho, tornando-os alvo de piadas e lendas urbanas.

 

As pessoas com acondroplasia (a forma mais comum de nanismo) enfrentam sérios problemas. São indivíduos que se tornam adultos, desenvolvem-se, mas carregam o estigma de serem sempre vistos como personagens infantis. Nesse contexto, os meios de comunicação têm sido grandes responsáveis por fomentar e manter vivo o estereótipo sobre essas
pessoas.

 

É preciso lembrar que as pessoas com nanismo são pessoas com deficiência que têm o direito de viver uma vida normal e completa, sem aimagem de que são engraçadas ou nascidas para provocar o riso.

 

Diante disso, a instituição do Dia Nacional de Combate ao Preconceito às Pessoas com Nanismo tem o objetivo de mobilizar esforços com vistas a divulgar informações, promover encontros, trocar experiências e ampliar conhecimentos com profissionais especializados no assunto, bem como buscar a inclusão social e inserção no mercado de trabalho.

 

O dia 25 de outubro foi escolhido por se tratar de data internacionalmente consagrada à mobilização das sociedades em prol do
conhecimento e debate das questões que envolvem o nanismo.

Em atendimento à Lei 12.345, de 9 de dezembro de 2010, foi realizada em de 30 de setembro do corrente ano, na Comissão de Educação, Cultura e Esporte, audiência pública para debater a Instituição do Dia Nacional do Combate ao Preconceito às Pessoas com Nanismo, e também encaminho em anexo a este Projeto documento contendo mais de 1.300 (um mil e trezentas)
assinaturas a favor da referida proposição.

 

Dessa forma, espero contar com o apoio dos nobres colegas parlamentares a essa proposição que ora apresento, no sentido de proporcionar a oportunidade para que as questões que envolvem o nanismo possam ser conhecidas e debatidas por toda a sociedade.

 

Sala das Sessões,
Senador ROMÁRIO
SF/15049.73328-34

 

Fonte: Senado

Rafaela Toledo

Comentários

8 respostas

  1. Meu filho tem acondroplasia e todos os dias sinto na pele (logo,logo ele tbm sentirá) as dificuldades e o preconceito que nossa sociedade
    desinformada e discriminatória impõe. As vezes é difícil lidar com as pessoas, mas o amor e a certeza de que Deus
    me escolheu pra ser mãe de uma criança tão especial me torna mais forte pra lutar junto com ele.

    1. Olá Edilane. Realmente a desinformação é um problema mas vocês conseguem vencer isso com amor, empenho e nossa ajuda! As pessoas olham muito. Muitas vezes, o olhar de surpresa é mais de curiosidade e falta de conhecimento do que realmente de preconceito. O preconceito realmente existe mas há muito mais pessoas dispostas a respeitar e plantar o bem. Nossos filhos precisam ouvir falar mais destas pessoas, do que daquelas dispostas ao mal.

  2. Eu tenho nanismo, infelizmente! Não queria vir assim ao mundo, pois tenho sofrido e venho sofrendo com preconceitos e discriminação de forma constante pela sociedade. Como Chacota, piadinha indireta , deboche e etc… é lamentável. Hoje tenho 39 anos de idade e, nunca tive a oportunidade de ter alguém para me aceitar numa relação de namoro. Somente o desprezo e a solidão cerca à minha vida! É triste e lamentável nascer nessa condição de anomalia…! Sei que têm pessoas com problemas mais graves, mas, ter nanismo é um problema sério e grave de forma pessoal e social. Não tenho filhos e também não quero ter filhos para passar o que já passei nesta vida de sofrimento em virtude de preconceitos e discriminação, mergulhado num poço de solidão sem fim e condenado ao desprezo da vida terrena. Principalmente por enfrentar problemas em estabelecer relacionamentos amorosos e etc.

    1. Fabrício, sabemos que pode ser muito complicado às vezes. Mas isso é na vida de todos. Nossa sugestão é que procure se encontrar e reconhecer em outras pessoas com baixa estatura, escolhendo olhar por outros ângulos, esta questão. Por exemplo, acompanhe nossa próxima edição onde vamos divulgar o Encontro dos Pequenos que irá acontecer agora em março. Isso pode te ajudar a diminuir a solidão e quem sabe até semear algum relacionamento.

  3. olá, Meu nome é Arthur, minha filha de 02 anos de idade foi diagnosticada com acondroplasia. Tenho pesquisado muito sobre o assunto, e aqui neste espaço “Somos Todos Gigantes” encontrei matérias excelentes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser