Convocação: Todos em Brasília dia 19 de junho

Chegou o momento de cada um de nós doar um pouquinho do seu tempo e disposição por uma causa que é nossa. Como foi quando nós vestimos a camisa para aprovar o Dia Nacional do Combate ao Preconceito Contra as Pessoas com Nanismo, quando nasceu a campanha Somos Todos Gigantes, que deu nome e substância ao nosso portal. Está agendada a primeira Audiência Pública para apresentar e aprovar o Projeto de Lei Nacional que propõe a obrigatoriedade da distribuição da “Cartilha Escola Para Todos: Nanismo”.

Nossas crianças são o futuro e com elas podemos criar uma realidade mais inclusiva e justa. Foi assim que pensou Vélvit Ferreira Severo, 32, designer gráfica e mãe de Théo, 4, quando teve a ideia de criar uma cartilha para distribuição em escolas, onde o assunto Nanismo fosse apresentado sem tabus.

Foto de Divulgação
Foto de Divulgação
Vélvit com o filho, Théo

“Foi então que pedi ajuda a Flávia [Berti Hoffmann], por ter experiência com editorial e ilustração, em função de ter uma editora de livros infantis. Ela abraçou o projeto e amigos apoiaram com ideias. Começamos sem muitas pretensões. Não tínhamos ideia de que alcançaríamos tanto espaço como está acontecendo atualmente”, conta Vélvit sobre o nascimento do projeto. Leia mais sobre o assunto aqui. 

O momento de iniciar os estudos traz dúvidas para pais e, muitas vezes, evidencia falta de preparo da instituições de ensino, na maior parte das vezes por falta de informação. O objetivo da cartilha é preparar o ingresso da criança com Nanismo de forma inclusiva e natural dentro das escolas.

Foto de Divulgação
Foto de Divulgação
Flávia com seu filho, Bernardo.

Outra premissa do projeto é a distribuição sem custo para os pais, profissionais acadêmicos e outros interessados. Para tanto, foi lançado um financiamento coletivo por meio do qual as pessoas empenhadas em apoiar a ideia podem contribuir para a finalização da cartilha. Acesse agora e contribua.

De acordo com Vélvit, com o apoio da prefeitura da cidade de Rio Grande (RS), a cartilha chegou até o Senador Paulo Paim, autor da Lei Brasileira de Inclusão. Com total apoio do Senador surgiu o Projeto de Lei Nacional que propõe a obrigatoriedade da cartilha sobre Nanismo nas escolas.

Foto de Divulgação

Foto de Divulgação

Vélvit ao lado do Senador Paulo Paim.“Nesse período, Kenia Rio, uma grande líder e presidente da associação ANAERJ conseguiu apresentar um projeto de lei para que a distribuição da cartilha seja obrigatória nas escolas do Rio de Janeiro”, conta a criadora da proposta.

Durante esta semana, a assessoria do Senador Paulo Paim entrou em contato com os responsáveis pelo projeto informando a data da primeira audiência pública, em Brasília  (dia 19 de junho) para apresentação e aprovação do Projeto de Lei Nacional da Cartilha.

“Contamos com a participação de todos porque quanto mais representantes, mais visibilidade e apoio teremos”, convida Vélvit. Kenia Rio organiza a ida dos cariocas, organizando um grupo por meio de seu perfil nas redes sociais.

Conseguir passar pela aprovação do Senado é o primeiro passo e a presença de cada um de nós é imprescindível para isso. “Precisamos lotar a casa no dia da audiência”, finaliza a mãe e Théo e representante de tantas outras mães que agora podem pensar em um ambiente mais inclusivo nas escolas para seus filhos.

É importantíssimo que você compartilhe, convide os amigos, leve alguém junto contigo. Mas principalmente, não deixe de comparecer!

Rafaela Toledo

Comentários

Uma resposta

  1. Eu apoio totalmente essa causa! Tenho em minha cidade e próximo a minha casa uma familia com nanismo, queira ou não eles sofrem com o preconceito.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser