Congresso Internacional sobre Acondroplasia e Outras Displasias Esqueléticas

“Foram 3 dias riquíssimos e intensos. Quase 30 horas de palestras e informações sobre nanismo, dedicação e amor a uma causa. Conhecia superficialmente o trabalho da Fundación ALPE. Digo isso porque, apesar de saber a influência que exercem na comunidade do Nanismo e conhecer alguns dos materiais informativos produzidos por eles, eu pouco sabia sobre sua real visão e grandeza profissional, técnica e humana atuantes em sua construção.

Como mãe que sempre buscou acompanhamento multidisciplinar e por todo o conteúdo que vem sendo produzido e disponibilizado no site ao longo desses anos, não fui surpreendida por grandes novidades e avanços no tratamento das condições genéticas causadoras da baixa estatura.

Ficou reforçado que a Acondroplasia e outras displasia ósseas exigem acompanhamento com abordagem 360º. A avaliação de cada marco de desenvolvimento infantil e a prevenção das complicações típicas de cada tipo de nanismo é diretamente proporcional à qualidade de vida dos adultos.

Foto de Divulgação
Foto de Divulgação
Equipe Principal da Fundación ALPE

Lista de especialidades mais relevantes para este acompanhamento:

  • Pediatria: Acompanhamento dos primeiros anos e encaminhamento para o especialista.
  • Genética: Diagnóstico e encaminhamento.
  • Fisioterapia: Acompanhamento e tratamento das finalidades específicas em cada fase. Um profissional que deve fazer parte da vida do paciente durante toda a vida, para garantir um bom desenvolvimento, prevenção de lesões e assegurar qualidade de vida. A hidroterapia foi colocada como a melhor atividade física para as pessoas com Nanismo.
  • Otorrinolaringologia: Avaliação da audição (prevenção das otites médias) e apneia do sono.
  • Neurologia: atenção redobrada à contenção do forame magno na infância e às estenoses da coluna, especialmente a lombar, ao longo da vida.
  • Ortodentia: acompanhamento e intervenção precoce na oclusão em função das características típicas da face, especialmente nos acondroplásicos.
  • Ortopedia: avaliação das deformidades e possíveis correções. Cuidados relacionados às articulações.
  • Nutrição: prevenção da obesidade já identificada como componente genético das pessoas com Acondroplasia.
  • Psicologia: estímulo à atitude positiva e desenvolvimento da autoestima.

É… Este é o mundo ideal. Muito distante da realidade brasileira, principalmente quando se depende da saúde pública e especialmente fora do eixo Rio – São Paulo. Por isso é tão importante propagar informação e estimular médicos, cada dia mais, a se interessar pela condição.

Foto de Divulgação
Foto de Divulgação
Na companhia de representantes das Associações de Nanismo da América Latina.

Novidades sobre pesquisas das drogas para tratamento:

  • Atualmente existem 4 laboratórios com medicamentos em teste, em diferentes estágios. A Vosorotide, no laboratório Biomarin, é mesmo a que está em fase mais avançada (em humanos, fase 3). Leia mais a respeito AQUI. Não se pode afirmar com precisão em quanto tempo estará disponível para comercialização. Especulações dizem que talvez em 2020. Sabemos que inicialmente será vendida nos Estados Unidos e depois em outros países. Sem previsão para quando chegará ao Brasil. Espera-se que, além do crescimento dos pacientes tratados, a droga altere significativamente as características que interferem na qualidade de vida dos pacientes, evitando, por exemplo, complicações articulares, estenoses e dores crônicas.
  • A importância das atividades físicas desde a infância foi enfatizada. É importante evitar, ao máximo, esportes de alto impacto e de contato (pela instabilidade crânio cervical). Mais do que natação, a hidroterapia (espécie de fisioterapia na água) é a atividade preferida dos especialistas da ALPE. Os benefícios da prática esportiva vão além dos ganhos físicos e da prevenção da obesidade: ganha-se autoconfiança e a construção de uma imagem e autoestima poderosíssimas. Incentive seu filho!
  • Alongamento ósseo é um tema muito mais comum e corriqueiro lá do que aqui. Vi vários adolescentes alongados ou com seus fixadores em plena ação. A maior parte dos ortopedistas presentes e da própria ALPE acreditam que o processo associado à correção de deformidades, ainda que complexo, traz grandes benefícios de acessibilidade, independência e melhora da qualidade de vida. Várias técnicas e resultados foram mostrados, assim como dicas para o pós-operatório. Uma ressalva feita lá e completamente endossada pela minha experiência como mãe de uma criança que passou pelo tratamento: não inicie o processo precocemente (a não ser que hajam indicações específicas) e DEIXE QUE O PACIENTE DECIDA-SE POR SUBMETER-SE OU NÃO AO PROCESSO. Não é um procedimento simples.

Enfim, volto da Espanha com uma gratidão indescritível, por tudo o que vi, ouvi e vivenciei. E acima de qualquer coisa, feliz por constatar que o #SomosTodosGigantes tem bases e visão muito alinhadas com a ALPE.

Mesmo antes de conhecer o programa do Congresso, já elaboramos o 3º Congresso Brasileiro de Nanismo e todas as especialidades lá abordadas estarão contempladas aqui.

O entendimento da ALPE acerca de como lidar com a causa também está especialmente alinhado com o nosso: a informação muito mais do que o embate raivoso, é o grande antídoto contra o preconceito. Nossos direitos são inegáveis mas quando conseguimos explicar nossos porquês à sociedade, eles se tornam inquestionáveis.

Sigamos em frente com a nossa missão aqui, cada vez mais inspirados pelo que é feito naquela cidade ao norte da Espanha: Não interessa onde você está quando quer fazer a diferença.

Ah, e não se esqueça: esperamos todos vocês aqui em Goiânia para o 3º Congresso Brasileiro de Nanismo! Faça AQUI sua inscrição.

Juliana Yamin

Rafaela Toledo

Comentários

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser