Capitão do BRASA Fala Sobre 1ª Copa Internacional

Brasa Seleção levou Bronze na Copa das Américas, vencendo o combinado de Estados Unidos da América e Canadá por dez a um. O artilheiro da partida que encerrou a participação da Seleção Brasileira de Anões na Copa América Talla Baja na Argentina foi Marcos Vinícius de Assis Rocha, 27, o capitão Vinícius, com três gols. Os demais gols foram marcados por: Lequinho (2), Leonardo (2), Gabriel (1), Bruno Camacho (1) e Marquinhos (1). 

O capitão e Assistente Administrativo da empresa TOTVS  aceitou falar mais sobre a Copa conosco e as expectativas para o futuro do time. Confira:

STG: Há quanto tempo vocês estão jogando juntos e batalham para tornar realidade a seleção brasileira de pequenos?

Vinícius: Vai fazer uns três anos que estamos engajados nesse projeto do BRASA, seleção brasileira de futebol de anões. A base do Rio de Janeiro treina juntos há uns três meses, todos os sábados, porque estávamos com foco na copa América que aconteceu em Buenos Aires, na Argentina.

STG: Quanto tempo conseguiram treinar todos juntos antes da Copa América?

Vinícius: Tirando o goleiro e um atleta – Leonardo – ambos do Norte do país, que não conseguiram as passagem pra vir ao Rio treinar com todo o grupo, treinamos todos juntos apenas em um sábado anterior à semana da viagem para a Copa América.

STG: Como foi ser capitão do time?

Vinícius: Ah, aconteceu de forma natural, por eu sempre estar mais ativo nas atividades do BRASA. O presidente José Carlos Rosário junto com o professor Marcus Moreira me denominaram capitão da equipe junto ao grupo. E também o Leonardo Cláudio que é um integrante muito ativo em frente ao grupo.

STG: Para você qual foi o momento mais importante do torneio?

Vinícius: Todos os momentos foram de suma importância até pelo fato de estar sendo a realização de um sonho participar de um torneio internacional representando o nosso país. Quase todos os momentos foram emocionantes. Está difícil cair a ficha da importância que isso vai ter para nossa modalidade daqui pra frente. Tenho certeza que com todas as dificuldades demos o nosso melhor do começo ao fim dessa copa.

STG: Qual foi o momento mais difícil, na sua opinião?

Vinícius: Os momentos mais difíceis foram de ficar longe da nossa família tanto tempo, pessoas que nos amam, torcem pela gente e nos acalmam. Também sobre a cultura de um país diferente, com comidas diferentes, a convivência com pessoas diferentes à qual não estamos acostumados. É complicado a falta de recursos financeiros para conseguir alguns recursos básicos que são necessários para o nosso dia a dia.

STG: Vocês receberam algum tipo de apoio?

Vinícius: Não recebemos nenhum tipo de auxílio ou apoio da nossa confederação nem do comitê paralímpico. Só recebemos promessas e até agora nada. Conseguimos apenas um contrato com a equipe de material esportivo W.A que foi quem nos forneceu um material de alta qualidade dos nossos uniformes e camisa de passeio.

STG: Como superaram as dificuldades financeiras?

Vinícius: Vendemos rifas, fizemos eventos amistosos contra escolinhas de times brasileiros, contamos também com apoio dos nossos amigos e familiares.

STG: Como foi levar o bronze?

Vinícius: Está sendo um sonho pra todos nós ficarmos entre as 3 melhores equipes da Copa Sul Americana, mesmo com todas as nossas dificuldades, falta de recursos, de apoio. Superamos nossas dificuldades e mostramos que somos capazes de desenvolver um belo trabalho e dar muito resultado representando as cores da seleção brasileira.

STG: Quais os próximos planos do time?

Vinícius: O próximo passo do BRASA é protocolar o projeto no ministério dos esporte para receber autorização para capacitação de recursos com a lei de incentivo com as empresas privadas.

Nos demos muito bem com as outras seleções que têm um carinho muito grande com a nossa e com isso estamos recebendo muitos convites para realizar jogos amistosos internacionais.

Iremos nos organizar para participar e seguir divulgando o projeto e fomentando o nosso esporte que é uma forma de ação social.

STG: Qual foi a partida mais emocionante?

Vinícius: Com certeza foi a semifinal que disputamos com a Argentina! Uma partida emocionante, contra os donos da casa, e com a torcida deles em peso, fazendo do ginásio um caldeirão.

Infelizmente não conseguimos sair com a vitória mas ficará marcado na história esse clássico em um torneio internacional que espero ser o primeiro de muitos para disputarmos.

STG: Como deve entrar em contato quem quiser colaborar com a BRASA Seleção?

Vinícius: Pode entrar em contato com o nosso presidente José Carlos Rosário, para maiores informações e para acompanhar mais de perto, basta seguir nossas redes sociais:

Facebook: Seleção brasileira de futebol de anões – BRASA

Instagram: @brasaselecao

Gostou? Não deixe de compartilhar. Caso você tenha novas ideias para expandir as possibilidade do esporte voltado para atletas de baixa estatura no Brasil, venha para Goiânia, vamos debater juntos no Congresso. Provavelmente o capitão vai estar por aqui compartilhando sua experiência e contando melhor como foi estrear com a primeira seleção de gigantes no primeiro torneio internacional do tipo.

O 3º Congresso Nacional de Nanismo e 1º Encontro STG vão acontecer aqui entre os dias 9 e 11 de novembro e você pode se inscrever clicando AQUI.

Rafaela Toledo

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais

Garoto com nanismo é campeão em jogos escolares

“Eu nunca tinha sido campeão e fiz gol até na final”, celebra Bernardo de 10 anos que descobriu mais uma paixão Um olhar técnico e humano plantou mais uma semente no futuro de uma criança e permitiu a união de um time que levou pra

Garoto com nanismo é campeão em jogos escolares

“Eu nunca tinha sido campeão e fiz gol até na final”, celebra Bernardo de 10 anos que descobriu mais uma paixão Um olhar técnico e humano plantou mais uma semente no futuro de uma criança e permitiu a união de um time que levou pra