Amor de Marcão e Kelly

Meu nome é Marco Antonio Alfredo, tenho 49 anos, sou aposentado, e casado com Kelly de Jesus Viana, 33, funcionária da produção de uma fábrica em Boituva, São Paulo. A gente se conheceu através de um site de relacionamento. Um bate papo. Estamos casados há 11 anos, faz uns 15 anos que nos conhecemos.

Ficamos sabendo que éramos o amor um do outro logo no primeiro encontro. A gente marcou na rodoviária de São Paulo, no Tietê. Eu morava em Campinas e ela em São Paulo, a gente marcou encontro pelo site de relacionamentos e, assim que a gente se olhou, já vimos que fomos feitos um para o outro.

A parte mais difícil do nosso relacionamento são as pessoas. Por onde a gente anda em locais públicos, as pessoas nos julgam pelos olhos. Sabem que somos casados e ficam nos olhando, parecendo ser coisa de outro mundo.

Mas as dificuldades a gente supera a cada momento, a cada dia. A gente tenta superar nos amando, conversando cada vez mais. Estamos casados há 11 anos e temos um filho que tem nanismo também, o Caio, que vai fazer 7 anos agora, dia 31 de agosto. Somos uma família muito feliz, graças a Deus.

O que a gente tem de mais especial um pelo outro é o amor. Tanto o amor da minha parte como da parte da minha esposa. Ela sempre me olhou como uma pessoa normal, nunca pela minha deficiência. E ela sempre fala: eu casei com você porque eu vi o amor nos seus olhos.

Então, ela olhou o meu coração! O que a gente tem de especial um pelo outro é o amor, carinho, amizade. Ela passou por cima de tudo o que precisou, enfrentou parentes e falou para os pais que não importava minha deficiência mas a felicidade que ela tinha comigo, o amor.

Eu também quando a vi, logo de cara, amei imensamente. E a gente mostra isso para todo mundo. Somos um real exemplo de amor.


É lindo ver como o amor vence barreiras e supera preconceitos. A gente não cansa de dizer que juntos, somos TODOS gigantes. Agora imagina espalhando amor… Somos invencíveis. Gostou? Não deixe de compartilhar e estimular aqueles casais que a gente admira a também dividir suas histórias aqui com a gente.

Rafaela Toledo

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser