Amor de Luiz e Lorena

Luiz Numeriano Santiago Barbosa de Farias, 33, é gerente de relacionamento bancário e tem um senso de humor notável. Mede um metro, trinta e quatro centímetros e meio, que ele faz questão de contar. Conforme descreve Lorena de Castro Oliveira, 31, sua amada, é um “nordestino arretado”.

Ambos têm Acondroplasia, por isso, participavam dos Encontros dos Pequenos. Foi em uma dessas ocasiões que Luiz foi fisgado pelo jeitinho sóbrio da morena Lorena, uma mineirinha que, segundo ele, estava muito isolada dos demais.

“Nos conhecemos em um dos encontros de pessoas com nanismo, em 2015. Foi muito especial. De alguma forma, era para ser Nós Dois. Em um forró, ele me pegou para dançar achando que a mineirinha estava deslocada e eu ali, só observando tudo e todos. “O nordestino arretado fez logo sua parte e veio dar um cheiro”, brinca Lorena sobre o dia em que se conheceram.

“Fui dançar com ela só para não ficar tão sozinha e acabei casado”, rebate Luiz, que completa a piada: “Casado não. Sou muito pequeno para casar. Só quando eu crescer”, em seguida se corrigindo e explicando: “É brincadeira! Eu e Lorena estamos juntos há 3 anos e meio”.

Lorena explica que se apaixonaram há mais de três anos e há dois dividem um lar, construindo diariamente sua morada. “Em nossa união há um complemento de partilha e presença, no amor e na cumplicidade. A vida nos reservou estar juntos por superarmos as diversidades e nos complementar um ao outro”, declara ela.

Ele reforça sobre o amor dos dois ser construído ao longo do tempo e da partilha no relacionamento. “Soube que ela era a pessoa certa quando conseguimos usar o primeiro quilo de sal juntos. Tem noção de quanto tempo leva para consumir um saco de sal numa casa onde mora apenas um casal? Ainda mais quando os dois trabalham o dia todo?”, questiona Luiz mantendo o bom humor característico do casal.

“Há tantas adversidades superadas na vida a dois. Na convivência de um nordestino arretado de bom e uma mineira serena até demais… Mas um fortifica o outro, e ama o outro, e na jornada da vida partilhamos os momentos bons e os difíceis, nos superando e reerguendo a cada dia”, complementa Lorena.

“Acho que o companheirismo e a cumplicidade é o mais fantástico. A gente se fala só pelo olhar. Uma vez fomos desafiados a desenhar o porto seguro de cada um. O mais incrível é que Lorena, toda detalhista, desenhou o nosso quarto, com detalhes da decoração. Eu, todo técnico, fiz o desenho técnico em planta baixa do mesmo quarto”, relembra Luiz afirmando que achou essa sintonia mágica.

Provavelmente ele vai dividir essa sensação com muita gente além de nós agora, com a publicação de sua história. Importante dizer que Luiz e Lorena foram entrevistados separadamente em momentos distintos. A afinidade deles derrama de cada palavra dita e por isso é importante compartilhar: as palavras carregam sentimentos e “nunca voltam vazias”.

Por isso compartilhe e use a #AmorSemTamanho em suas fotos. Vamos viralizar o amor em tempos de tanta intolerância nas redes sociais. Sigamos o exemplo do casal:

“Meus acréscimos finais: todos os dias amar, re-amar e remar no amor, como em um barco que carrega a nossa morada e cumplicidade pelo rio da vida”, finaliza Lorena com sabedoria.

Rafaela Toledo

Comentários

Uma resposta

  1. Que bacana, fico impressionado com a bruxaria que minha cunhada fez pra domar esse rebelde haha sou muito fã desses dois, sabem que podem contar comigo sempre!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser