Vote no Montanha para Atleta da Galera

Esporte de alto rendimento é coisa de gente predestinada. A pessoa precisa ser determinada, confiante, resistente, mas acima de tudo, resiliente. Essa palavra que tem infestado a internet e outros canais de conversa, tem um significado poderoso. Talvez por isso a moda.

Ser resiliente é ter a capacidade de resistir aos desafios e se adaptar às situações, se recobrando facilmente. Luciano Bezerra, 36, é halterofilista profissional, paratleta de Halterofilismo pelo Clube Desportivo Para Deficientes de Uberlândia (CDDU) e um resiliente de carteirinha. Não porque tem nanismo e supera diariamente os desafios da condição, mas porque consegue se dedicar à uma atividade de alta performance, vivendo no limite de suas forças e se divertindo com os desafios desta jornada.

Foto: Facebook Luciano

foto de divulgação
Luciano traduz a palavra resiliência.

“Sou atleta paralímpico. Hoje, eu quero agradecer o nanismo na minha vida porque se não fosse o nanismo eu não teria conhecido os quatro países que conheci e não paro por aí. No ano que vem, se Deus quiser, tem mais oportunidades. Sobre as competições de nível nacional também. Já conheço os quatro cantos do Brasil através das minhas competições”, agradece Montanha em entrevista ao STG.

O amor ao esporte já levou Luciano para Estados Unidos, México, Canadá e Hungria, desde que se tornou um dos representantes do Brasil nas competições paralímpicas, a partir de 2013. “Em minha última competição, no Circuito Lotéricas Caixa, realizado recentemente, fiquei como Vice-colocado no ranking Brasileiro com a marca de 151 kg na barra”, conta o atleta que agora se prepara para a edição 2018 do Circuito Caixa, programada para o próximo mês de março.

Foto: Facebook de Luciano

Foto: Facebook de Luciano
Treino pesado.

Representante do Nanismo no esporte brasileiro, ele já é nosso ídolo há muito tempo. Presente em Brasília, quando houve a mobilização pelo Dia Nacional de Combate ao Preconceito Contra as Pessoas com Nanismo, presenciou o nascimento da campanha Somos Todos Gigantes e sempre teve nosso carinho e admiração.

Foto: romario.org

Senador Romário e Montanha em Brasília lutando pelo Dia Nacional do Combate ao Preconceito Contra as Pessoas com Nanismo

Agora é nossa chance de colaborar com a multiplicação do seu sucesso. Ele está participando de uma premiação do Comitê Paralímpico Brasileiro e lançou o seguinte apelo na página Realidade Uberlandense:

“O Comitê Paralímpico Brasileiro-CPB iniciou uma votação para escolher o Atleta da Galera e eu gostaria do apoio de vocês para buscar mais esse conhecimento. Para isso é só clicar no link logo abaixo e escolher ‘Luciano Bezerra – Halterofilismo’! Desde já muito obrigado! Peço que me ajudem também compartilhando essa ideia”.

Para votar em Montanha, clique Aqui. É importante que você faça isso AGORA porque amanhã, 17 de novembro, será a primeira chamada da votação. Além disso, você pode ajudar mais ainda compartilhando esta matéria ou o link com todos os seus contatos.

Saiba mais sobre ele

Montanha treina há oito anos e atualmente é patrocinado pela Electrolux e JSL, empresa do grupo Júlio Simões, além de receber o incentivo do Bolsa Atleta do Governo Federal. Seu empenho o levou a fazer o que poucos conseguem: viver do que gosta.

Foto: Facebook Luciano

Luciano Bezerra, o Montanha, e seu treinador Weverton Santos, um dos preparadores da Seleção Paralímpica Brasileira.

Treinado por Weverton Santos, um dos preparadores da Seleção Paralímpica Brasileira, conserva conquistas como o ouro no Mundial de Anões nos Estados Unidos em 2013, terceiro lugar no Regional das Américas na Cidade do México e no Parapan Americano em Toronto no Canadá em 2015, quinto lugar na Copa do Mundo de Halterofilismo na Hungria, este ano, além da participação na campanha Rio 2016 com a case “O Treino Que Muda Opiniões!”

“Participar da campanha ‘O Treino Que Muda Opiniões’ para mim foi muito bom. Profissionalmente principalmente. Depois desse comercial minha vida mudou para melhor. O reconhecimento aumentou bastante. Já dei palestras. Fui reconhecido nos lugares, galera perguntando e parando em aeroportos. O reconhecimento foi enorme“, conta o halterofilista.

Para finalizar a entrevista, Luciano responde de forma simples à questões cruciais. Quando questionado sobre sua maior vitória, ele responde com humildade: “Conhecer o esporte paralímpico”; quanto ao maior obstáculo, ele reafirma: “O preconceito”.

Rafaela Toledo

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser