Gigante Leo combate o bullying com risadas

Acompanhe esta série de reportagens que começa com uma entrevista estimulante com o Gigante Leo

Acompanhe esta série de reportagens que começa com uma entrevista estimulante com o Gigante Leo, um dos grandes nomes da comédia nacional

Hoje vamos iniciar a série de reportagens “Como criar seus filhos para resistir ao bullying“, com exemplos de vida, dicas, opinião de especialistas e sugestão de livros, vídeos, filmes e peças teatrais sobre como superar bravamente os olhares invasivos. Nosso objetivo é ajudar você a oferecer as condições de crescimento que seu pequeno merece por meio de exemplos que possam servir de referência em seu convívio familiar.

 

Nada melhor do que começar com humor. Assim escolheu Leonardo Reis, 37, mais conhecido pelos palcos brasileiros como Gigante Leo, uma brincadeira com seu Nanismo Diastrófico.

 

Em entrevista exclusiva ao portal Somos Todos Gigantes ele conta que desde criança gosta de fazer graça e não por acaso acabou se tornando um dos fenômenos do Stand Up Comedy nacional. Logo no 1º Campeonato Brasileiro do gênero promovido pelo festival Risadaria (maior evento de humor da América Latina) levou a prata e conquistou o carinho e a atenção do público.

 

 

Fez participações em talk shows como os de Jô Soares e Danilo Gentili, sempre demonstrando leveza e uma autoconfiança bem humorada, ácida e perspicaz. Brincando com sua condição, rindo e levando o riso à diversos públicos, o ator escolheu levar a vida fazendo piada das dificuldades e o plano deu certo.

 

Foto do Instagram

Gigante

Gigante Leo visita uma das grande referência da comédia brasileira 

 

Já dividiu o palco com humoristas consagrados como Leandro Hassum, no espetáculo “Lente de Aumento”, Marcos Veras e Sérgio Mallandro.

 

Foto Instagram

Encontro

Gigante com Marcelo Serrado e Sérgio Mallandro

 

Em 2012 foi vencedor do Prêmio Multishow de Humor, quando ganhou um programa de meia hora na rede televisiva. Também se arrisca por outros campos da dramaturgia, fazendo filmes como “O Concurso” (direção de Pedro Vasconcelos) onde contracenou com atores como o próprio Pedro Vasconcelos, Danton Mello, Fábio Porchat e Gregório Duvivier.

 

 

Estes últimos já foram companheiros de cena de Leo em Porta dos Fundos, em suas várias participações no canal de comédia mais famoso de todos os tempos, com três bilhões de visualizações e mais de 13 milhões de assinantes, perdendo apenas para  Windersson Nunes, o novo fenômeno da internet que concentra mais de 15 milhões de inscritos em seu canal de humor (Segundo mais influente do mundo de acordo com levantamento feito pela Snack Intelligence, plataforma de network brasileira e publicado pela revista Exame).

 

Confira esta participação do humorista contracenando com Fábio Porchat e Luis Lobianco:

 

 

Como protagonista, acaba de atuar no longa “Altas Expectativas”, um filme dirigido por Pedro Antônio e Álvaro Campos, com estreia prevista para setembro de 2017. Nesta obra, Leo vive um romance com a atriz Camila Márdila, de estatura média.

 

Foto: O Globo

Casal

Protagonistas do romance: Gigante Leo e Camila Márdila

 

Mais um caso onde a arte imita a realidade. Leo também vive uma história de amor com uma mulher de média estatura na vida real. Casado e bem sucedido em tudo o que decidiu fazer na vida, ele também faz piada com a diferença de altura dos dois.

 

Foto de Arquivo

Gigante

Casal sela união com um belo beijo

 

O curta metragem “Tela em Branco”, com direção de Pablo Loureiro também sai totalmente dos limites da comédia. Um drama forte, violento e reflexivo onde grande parte da provocação – que é o cerne da obra – é semeada pela atuação de Leo. O vídeo, impactante (tire as crianças da sala!), pode ser acessado no Youtube.

 

Versátil, o ator também assinou um livro intitulado “O Grande Livro dos Anões”. Acesse as primeiras páginas do e-book no Google, para rir alto e comprar logo um exemplar da obra.

 

Foto: nhenhenhem.com

Autoria

Lançamento do livro escrito pelo humorista 

 

A Entrevista

 

Foto Instagram

Gigante

Leo abraça a campanha Somos Todos Gigantes em seu perfil pessoal no Instagram

 

Depois de ler tudo isso sobre a vida e o trabalho de Gigante Leo, se você também é um(a) fã irremediável, confira agora sua entrevista na íntegra. Se não for, leia e com certeza vai se tornar, pela sua simplicidade e profissionalismo.

 

1- Você sempre teve dom pra comédia?

Sim, desde criança. Na verdade acho que o humor é um estado de espírito que está em cada pessoa, é uma forma diferente de olhar para o mundo; com mais leveza. Sempre preferi fazer comédia, na verdade peças onde meus personagens sempre tiveram uma veia cômica.

 

2- Acha que seu dom te ajudou a lidar com situações desagradáveis ligadas à baixa estatura?

Com certeza. Na verdade, aprender a levar a vida com mais leveza, facilita lidar com situações de preconceitos e também com as dificuldades inerentes a ser anão.

 

3- Prefere atuação ou stand up comedy?

São duas coisas que têm energias muito diferentes. Ambos são muito prazerosos de se fazer. Mas atualmente tenho encontrado mais desafios para serem superados na atuação, o que me instiga mais a procurar mais a dramaturgia.

 

4- Quantos filmes você já fez e de qual gostou mais de participar?

Eu fiz dois longas e um curta. Estou prestes a gravar o segundo curta. Eu adorei fazer os dois filmes, embora cada um tenha sido uma experiência muito diferente.

 

5- Como você acha que devemos criar os filhos para resistir ao bullying? Tem alguma dica para os papais e mamães de pequenos em primeira viagem?

Sinceramente acho que não existe uma fórmula ou um caminho mais seguro. Posso falar da maneira como fui criado. Temos que tratar todos os filhos da mesma forma. Não é porque ele tem nanismo que tem que ter mais atenção que os demais ou ter uma educação “mais light” por isso. É lógico que, provavelmente por causa das cirurgias que deve fazer, ele tenha que ter mais tempo dedicado a esses cuidados, mas temos que tomar cuidado para não nos exceder nos cuidados.

 

6- Sua casa é adaptada?

Agora, depois que me casei e mudei, a minha casa é mais adaptada. Mas quando criança e adolescente, tinham poucas adaptações. Usava banquinhos e escadas para acessar as coisas. E achei isso muito válido para aprender a me virar fora de casa.

 

7- Você brinca sobre sua sogra em algumas piadas. É verdade que passou por preconceito com a família da esposa?

 

Não é verdade não. Minha sogra é um amor. Aliás, eu ser anão nunca foi uma questão para a família da minha esposa. Mas já tive namoradas antes dela que a família simplesmente não queria que eu entrasse na casa. Claro que não durou muito.

Rafaela Toledo

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser

A conexão de mãe que abraçou centenas de outras mães

Neste Dia das Mães, contamos histórias de mulheres que são fio condutor na luta por proteção e direitos dos filhos com nanismo “Não consigo me imaginar não sendo mãe. A gente se doa, se dedica pra vê-los se tornando homens maravilhosos”: Francielle Ferreira Ribeiro “Ser