Fifa entrevista capitão Vinícius Rocha

Acompanhe a tradução livre desta entrevista emocionante realizada pelo capitão da BRASA Seleção, o time brasileiro de futebol de pessoas de baixa estatura, aqui no Somos Todos Gigantes.

Compartilhe o sucesso deles, porque precisamos encontrar empresários dispostos a abraçar essa causa e levar nosso esporte para as grande competições mundiais. Contamos com apoio de cada um de vocês para ajudar essa turma a conseguir patrocínio e nos representar na modalidade futebol, esporte em que, por natureza, dominamos a cena.

“Algumas pessoas acham que os anões nasceram para que outras pessoas zombem ”, explica com pesar ao FIFA.com Vinícius Rocha, de 1,30 m. “Algumas pessoas acham que pertencemos ao circo. É muito triste”.

Mas, se Vinícius já havia ouvido críticas cruéis nas ruas do Rio de Janeiro, o jovem de 27 anos é um herói agora. O motivo de sua ascensão em emoções? A Copa América de Baixa Estatura, que a Argentina recebeu em outubro. Foi uma competição de futsal com a seleção da Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, América do Norte, Paraguai, Peru e convidados do Marrocos.

Ele foi como Marcos Vinicius de Assis Rocha. Voltou para casa rebatizado como Vini Show, tendo iluminado a competição com habilidades de tirar o fôlego e metas maravilhosas, fazendo uma justaposição com Ronaldinho para inspirar o Brasil a ficar atrás da vice-campeã Argentina e campeões do Paraguai.

“Eu choro toda vez que vejo as fotos, assisto vídeos da experiência”, disse o capitão da Seleção e o nº10. “Eu luto por palavras para descrever mas não posso explicar o quão importante foi na minha vida”.

“Foi maravilhoso, a realização de um grande sonho. Eu estava emocionado a cada momento durante a viagem. Foi tão gratificante”.

“Quando eu era criança, sempre quis me tornar um jogador de futebol profissional. Eu gostava de assistir Romário e Ronaldinho, e sou um grande fã de Zico”.

“Eu tinha muita habilidade, mas meus pais mantiveram meus pés no chão e deixaram claro que isso não seria possível por causa da minha altura. Então, jogando na Copa América, me sinto realizado. O Brasil terminar em terceiro, quando todo o time não treinou como outras seleções, foi incrível”.

“Crianças continuavam vindo até mim pedindo meu autógrafo depois. As pessoas nas ruas me abraçam, querem falar comigo sobre representar a Seleção.

“A BRASA (equipe brasileira de anões) chegou à ESPN Brasil e nós ficamos em todos os jornais. Acho que meus pais devem ter comprado todos os jornais do nosso bairro para dar à família e aos amigos!”

“Eles estavam tão orgulhosos de mim, e eu não posso descrever como foi incrível esse sentimento saber que eu os deixei orgulhosos. Eles me apoiaram muito ao longo dos anos.”

Vini Show estava em dívida com sua família por levá-lo para a Copa América.

“A BRASA não recebe nenhum financiamento, então os jogadores tiveram que pagar nossas próprias passagens. Eu não achava que seria capaz de ir, mas organizamos algumas rifas e meus parentes e amigos se uniram para me levar até lá. Eu serei eternamente grato “.

Antes de embarcar para Buenos Aires, os “gigantes” brasileiros receberam mensagens de vídeo de apoio de Bruno Silva, Everton, Maicon, Marcelo Oliveira e Vitinho.

“Significou muito ouvir os jogadores profissionais nos enviando seu apoio”, disse Vini Show. “E ouvir Lionel Messi, um dos melhores jogadores do mundo, apoiando a Copa América do Dwarf foi maravilhoso”.

“Não foi ótimo só para nós, mas para todos com nanismo. É difícil ser levado a sério como anão. As pessoas podem dizer coisas ofensivas, causar depressão. A Copa América ajudou a divulgar os problemas que enfrentamos e a enfrentar o preconceito”.

“A experiência transformou minha vida. Isso me fez tão feliz.”

com informações de Fifa.com

Rafaela Toledo

Comentários

2 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais

Somos Todos Gigantes marcado na pele 

Pai de criança com síndrome raríssima faz tatuagem em homenagem ao movimento; família é de Feira de Santana, na Bahia, e participou pela primeira vez de encontro em 2023 As bagagens de vida de Maysa, Anderson e Malu são cheias de desafios, lutas, transformações e

Somos Todos Gigantes marcado na pele 

Pai de criança com síndrome raríssima faz tatuagem em homenagem ao movimento; família é de Feira de Santana, na Bahia, e participou pela primeira vez de encontro em 2023 As bagagens de vida de Maysa, Anderson e Malu são cheias de desafios, lutas, transformações e