Dia dos namorados e o preconceito sobre o relacionamento de uma pessoa com nanismo

O namoro entre uma pessoa deficiente e a outra não deficiente ainda é tratado sob o ponto de vista preconceituoso. Nem todo mundo que vive a deficiência física na própria pele tem a sorte de encontrar uma pessoa que te mude para o melhor.

Desde o dia que nasci acho que sempre estive a espera de um homem como Marcelo. Falar dele é falar sobre mudar de vida e Marcelo Meskó mudou minha vida pra melhor. Nossa relação começou on-line e quando já estávamos bastante envolvidos nos encontramos pessoalmente.

Ele destrancou meu coração, que após algumas desilusões, não acreditava em mais nada. Tive duas perdas importantes na minha vida: perdi mãe em 2010 e pai em 2012 e aí meu chão desabou .

Marcelo me mostrou que era possível ser feliz com alguém que te ame independentemente pelo tamanho que você é e que o amor realmente existe. Neste ano, no dia 24 maio fizemos 7 anos de namoro!
Existe um antes e um depois do dia em que nos rendemos ao sentimento que agora nos une.

Eu não imaginava que fosse possível mudar tanto e como a vida e Deus proporcionam grandes surpresas. Surpresas essas que são pequenos detalhes, que fazem uma enorme diferença. Marcelo me mudou como pessoa.

Só tenho a agradecer por tudo e pelo quanto ele me agrega. Ele é o meu presente. Ele nunca me disse que por ter nanismo eu seria diferente para ele ou que teríamos alguma dificuldade no relacionamento.

A sociedade muitas vezes exclui as pessoas com deficiência e ainda há muito preconceito. As pessoas olham para ti, riem e fazem piadinhas… Com Marcelo aprendi a não me importar.

Antes dele, me relacionei com outros homens mas eles tinham vergonha de assumir um namoro. Amor é um sentimento que vai além da deficiência.

Marcelo muito me sempre que sou linda por dentro e por fora e eu quero que todos saibam que eu estou com você. Que a gente possa dançar e viver como se ninguém estivesse olhando. Somos muito mais que uns centímetros a menos e não apenas hoje, mas devemos comemorar e celebrar sempre o amor!

Que todos nós tenhamos a oportunidade de amar e de sermos amados!

Márcia Pacheco de Souza
Márcia Pacheco de Souza é mulher com nanismo e secretária clínica médica
Comentários

7 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *