Aniversário da Lei Brasileira de Inclusão (LBI): Um marco para os direitos das pessoas com deficiência, inclusive para o nanismo

No último dia 6 de julho, celebramos o aniversário da Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (LBI), também conhecida como Estatuto da Pessoa com Deficiência. Promulgada em 6 de julho de 2015, essa legislação representa um marco histórico para os direitos das pessoas com deficiência no Brasil e é reconhecida como uma das mais modernas do mundo.

A LBI tem suas bases firmemente ancoradas nos tratados da Convenção Internacional da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, de 2008. Este tratado, que conta com a adesão de 185 países, estabeleceu diretrizes fundamentais para a promoção da dignidade, autonomia e igualdade de oportunidades para as pessoas com deficiência.

Entre as diversas áreas abordadas pela LBI, a inclusão de pessoas com nanismo merece destaque. Assim como outras deficiências, o nanismo exige estratégias específicas que assegurem a acessibilidade e a inclusão em todos os aspectos da vida social. Isso inclui adaptações no ambiente físico, acesso à educação e ao mercado de trabalho, e a promoção de uma cultura que valorize a diversidade.

Pessoas com nanismo enfrentam desafios únicos em relação à acessibilidade física. Isso inclui a necessidade de adaptações em mobiliário urbano, como banheiros públicos, bancos e balcões de atendimento, que devem ser projetados para serem acessíveis a pessoas de baixa estatura. Além disso, é fundamental que edifícios públicos e privados sejam equipados com elevadores e rampas adequadas, garantindo que as pessoas com nanismo possam se movimentar livremente e com segurança.

No contexto educacional, é crucial que as instituições de ensino estejam preparadas para acolher estudantes com nanismo. Isso envolve não apenas a adaptação do ambiente físico, como carteiras e materiais escolares acessíveis, mas também a formação de professores e funcionários para lidarem com as necessidades específicas desses alunos. Políticas de inclusão escolar devem garantir que estudantes com nanismo tenham acesso igualitário à educação de qualidade, sem discriminação ou barreiras.

A inclusão de pessoas com nanismo no mercado de trabalho é outro aspecto vital. Empresas devem adotar políticas de diversidade e inclusão que promovam a contratação e a retenção de funcionários com nanismo. Isso pode incluir a adaptação de postos de trabalho, sensibilização dos colegas de trabalho e a criação de um ambiente corporativo inclusivo. Programas de capacitação e desenvolvimento profissional específicos para pessoas com nanismo também são importantes para garantir que esses indivíduos possam progredir em suas carreiras.

A conscientização é uma ferramenta essencial para combater atitudes discriminatórias e promover a inclusão. No entanto, a efetividade da LBI depende não apenas da conscientização da sociedade, mas também do compromisso constante do Poder Público. Governos e instituições devem trabalhar juntos para implementar estratégias de acessibilidade, diversidade e inclusão, garantindo que os direitos estabelecidos pela LBI sejam plenamente aplicados.

Apesar dos avanços significativos proporcionados pela LBI, a falta de aplicabilidade plena da lei ainda é um desafio. Não podemos falar em construção de um país mais inclusivo enquanto o Brasil não for capaz de identificar as pessoas com deficiência e garantir seu acesso às políticas públicas existentes. A identificação correta dessas pessoas é crucial para a implementação eficaz das políticas de inclusão.

A construção de um Brasil mais inclusivo passa pela plena aplicação da LBI e pelo fortalecimento das políticas públicas voltadas para as pessoas com deficiência. A celebração do aniversário da LBI não é apenas um momento de comemoração, mas também de reflexão e renovação do compromisso com a inclusão. É uma oportunidade para reafirmarmos nossa dedicação para a construção de Brasil igualitário, onde todas as pessoas, independentemente de suas condições, possam viver com dignidade e respeito.

Gisele Rocha
Jornalista, ativista, mãe da Luiza Vitória (criança com nanismo) e integrante do Somos Todos Gigantes
Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *